Guarda civil reage a assalto e é morto em Taboão da Serra

Moto que os ladrões queriam não foi levada e namorada da vítima escapou ilesa

Bruno Lupion, do estadão.com.br,

16 de julho de 2010 | 06h25

SÃO PAULO - Um guarda civil foi morto ao reagir a um assalto em Taboão da Serra, região metropolitana de São Paulo, na noite de quinta-feira, 15. A moto que os ladrões queriam, uma Honda Twister prata, não foi levada, e a namorada da vítima, que estava na garupa, escapou ilesa. Um suspeito foi preso.

 

Antonio Carlos Tirelli, 32 anos, guarda civil de Santana de Parnaíba, tinha ido buscar sua namorada na casa dela, na Avenida Ibirama, em frente ao Hospital Pirajussara. Eles namoravam há cerca de 15 dias. Quando estavam prestes a sair, foram abordados por dois homens em um Astra vinho, por volta das 19h30.

 

Um dos ladrões apontou a arma para Tirelli e pediu a moto. O guarda civil, que usava colete à prova de balas, disse que iria pegar o controle do alarme no bolso da calça, mas sacou o revólver. O criminoso disparou quatro vezes: duas balas ficaram no colete, uma perfurou a lateral do tórax e outra atingiu a cabeça da vítima. O ladrão foi baleado uma vez, no ombro.

 

Tirelli foi levado ao Hospital Pirajussara, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Uma hora depois, Leoni Santos Nolarco, 21 anos, deu entrada no Pronto Socorro de Campo Limpo, na zona sul da capital, ferido no ombro por arma de fogo. Os médicos avisaram a polícia e a namorada da vítima o reconheceu como autor do assassinato.

 

Nolarco foi preso e encaminhado ao 1º DP de Taboão da Serra, onde teria confessado o crime e indicado o nome do comparsa, segundo o guarda civil Luis Marcelo Borgatto. Até a manhã desta sexta-feira, 16, o comparsa não havia sido preso.

 

Um terceiro homem, de moletom vermelho, passou pelo local do crime logo após o tiroteio e furtou a arma de Tirelli, que estava jogada ao lado do seu corpo, segundo testemunhas.

 

Policial morto

 

Na noite de quarta-feira, 14, o policial militar Valmir da Silva Lima, 39 anos, também foi assassinado ao reagir a um assalto no Tremembé, zona norte de São Paulo. Ele estava de folga, em sua moto Honda Twister preta, e foi abordado por três homens que ocupavam um Santana vinho. Lima sacou sua arma e acabou baleado no peito.

 

Minutos depois do tiroteio, Alberto Henrique Nascimento deu entrada no Hospital São Luiz Gonzaga, no Jaçanã, ferido por arma de fogo. Ele é um dos principais suspeito do crime, investigado pelo 73º DP (Jaçanã).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.