Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Guarda-civil é morto próximo a escola municipal após ocorrência com adolescentes

Agentes foram acionados após grupo chutar portões da unidade escolar na zona leste de São Paulo e um deles foi surpreendido por jovens que começaram a atirar; dois foram apreendidos

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 20h47

SÃO PAULO - Um guarda-civil metropolitano de 49 anos foi morto com quatro tiros, um deles na cabeça, ao chamar a atenção de um grupo de adolescentes que chutava os portões de uma escola municipal do Jardim Lajeado, zona leste da capital, nesta terça-feira, 9. Um dos jovens acusados de participar do crime, de 15 anos, foi baleado pela parceira do GCM e apreendido. Os demais fugiram. 

O adolescente foi detido após ser encontrado por cães farejadores da GCM. Um dos tiros dados pela parceria do agente morto o atingiu na perna, de raspão, mas ele fugiu e deixou rastro de sangue. Os cães seguiram o rastro e ele foi localizado às 16 horas, cerca de três horas após o tiroteio. 

Segundo o inspetor da GCM Agapito Marques, funcionários da Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Eliza Mara Torres chamaram a GCM após um grupo de jovens começar a chutar os portões da escola. "Quando os agentes chegaram, os jovens estavam em uma quadra comunitária que fica na frente da escola", diz o inspetor. 

O guarda-civil Marcos Roberto de Oliveira e sua parceira foram até a quadra para chamar a atenção dos jovens, nas palavras do inspetor. "Aí outros dois jovens chegaram por trás e começaram a atirar", segundo conta.  Oliveira, guarda com 16 anos de profissão, foi atingido por quadro disparos. Sua parceira sacou a arma e revidou os tiros, disparando sete vezes, e afugentando a dupla. Então, ela pediu reforço e começou a ajudar o colega, já caído na quadra. 

O agente baleado chegou a ser levado para o pronto-socorro do Hospital Santa Marcelina, em Itaquera, mas não resistiu.  Com a chegada do reforço e o auxílio dos cães, agentes da GCM fizeram buscar na favela do Jardim Aurora, e acharam o rapaz ferido. 

O autor dos disparos, ainda segundo a GCM, é um rapaz de 18 anos que já foi identificado, mas está foragido. Quando menor, o rapaz teria se envolvido também em um homicídio de um sargento da Polícia Militar. O caso foi registrado no 67.º Distrito Policial (Jardim Robru). A Polícia Civil não deu informações sobre o caso. 

Na delegacia, um grupo de quatro mulheres que se identificaram como familiares do rapaz negaram que o jovem tenha participação com o crime, mas não forneceram outros detalhes. Uma adolescente, também de 15 anos, foi levada à delegacia com o rapaz preso. Segundo os guardas, após o tiroteio ela tentou furtar a arma de Oliveira, com ele já caído, mas foi impedida pela parceira do GCM. Ela foi identificada depois, ainda de acordo com os guardas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.