Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Grupos se unem para defender as 'ilhas verdes' de SP

Moradores fazem projetos de preservação e organizam mutirões de limpeza em seus bairros para proteger árvores, praças e parque

Felipe Resk e Paula Félix, O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2016 | 05h00

SÃO PAULO - Conhecida por suas paisagens tomadas por concreto e pelo cenário tipicamente urbano, a cidade de São Paulo também tem suas ilhas de verde. Elas são defendidas por moradores que se interessam por projetos de preservação e organizam mutirões de limpeza, cursos e atividades de aproximação com a comunidade. Os espaços estão distribuídos em diferentes pontos da capital e mobilizam dezenas de pessoas, cada um.

No Sumarezinho, zona oeste, a Praça das Corujas recebe atenção especial dos defensores do verde. O local, que é público, tem uma horta cuidada pelos moradores da região. “A gente promove ações de plantio, cursos de capacitação para a comunidade e para equipes da Prefeitura. Também ficamos atentos às políticas públicas sobre arborização e agricultura urbana”, diz a ambientalista Claudia Visoni, de 50 anos, que também é conselheira do Meio Ambiente da região de Pinheiros. “Os defensores do verde estão se articulando em coletivos independentes e estamos conseguindo somar forças.” 

Para o artista plástico Daniel Caballero, de 44 anos, o fascínio por plantas nasceu da vontade de conhecer a paisagem original de São Paulo. Com os estudos, ele redescobriu um tipo de vegetação que antes era comum na região, mas que foi sendo destruída. “No meio da Mata Atlântica, havia um grande campo de Cerrado”, afirma. “Era a paisagem de quando os portugueses chegaram e foi quase totalmente dizimada. As pessoas daqui perderam a conexão. Elas associam o Cerrado a outras áreas, como o Centro-Oeste.” 

Interessado pelo tema, Caballero resolveu começar em 2015 o “Cerrado Infinito”, iniciativa para criar um “mini-Cerrado” na Praça da Nascente, na Pompeia, zona oeste da capital. Hoje, ele produz mudas em casa e também faz incursões em terrenos baldios atrás de plantas para compor uma trilha que aumenta a cada sábado, dia dos mutirões. Cerca de 50 pessoas já participaram dos encontros, entre elas botânicos e biólogos. No Facebook, o projeto tem 1.120 curtidas. Segundo estima, já foram plantadas ao menos 40 espécies diferentes no projeto. São lantanas (“aquela florzinha multicolorida, que tem nos jardins das vovós”), araçás (“uma goiabinha, que dá nome ao cemitério”), lobeiras (“parecem com a berinjela, alimentam o lobo-guará”). Também tentou plantar pequi, “que não tem mais em São Paulo”, mas não deu certo. 

E se engana quem acredita ser fácil. “As pessoas não sabem o que é Cerrado, acham que é mato e mandam cortar. Só com a Prefeitura a gente já correu risco cinco vezes. Parece matinho, mas tem uma diversidade absurda”, afirma o artística plástico, que também tenta intervir nas vezes em que vê alguma vegetação sendo destruída. “Já vi pessoas cortando árvores lindas por motivo nenhum.”

Na década de 1990, o advogado Danilo Bifone, hoje com 40 anos, vestia roupa preta, cobria o rosto e saía pelas ruas de São Paulo de madrugada. O aparato servia para não ser reconhecido enquanto plantava árvores a esmo. “Eu pensava que estava cometendo um crime”, conta, aos risos. “Não há nada que te impeça na legislação de plantar. Até hoje, me perguntam se eu tenho autorização, mas, desde que cumpra o Manual Técnico de Arborização Urbana, não tem problema nenhum.”

Bifone resolveu iniciar a empreitada, nas palavras dele, “subversiva”, após a morte de um pau-ferro, espécie de tronco esbranquiçado e folhas miudinhas, que havia na frente da casa dele, na Mooca. “Cuidei da árvore quando estava infestada de cupim, mas o vizinhos começaram a reclamar. A Prefeitura foi lá, fez uma poda drástica e matou minha árvore”, diz. 

Com o tempo, o advogado formou um grupo de pessoas interessadas e coletou informações sobre a forma correta de plantar e as espécies apropriadas para o meio urbano. Formou-se o “Muda Mooca”, que promove um evento por mês: plantios coletivos, salvamento de árvores, palestras e cursos. “Já deve estar beirando umas 20 mil árvores plantadas”, afirma Bifone. Para o advogado, ver alguém cortando árvore é “frustrante”. Só no Serviço de Atendimento ao Cidadão da Prefeitura, ele já fez mais de 30 reclamações.

Parque. O sonho do presidente e fundador do Movimento Ousadia Popular, Quintino José Viana, de 71 anos, é ver a inauguração do Parque Municipal da Brasilândia, na zona norte da capital. Por enquanto, a área de mais de 300 mil metros quadrados está ocupada por cerca de 1.500 famílias que vivem de forma irregular no local. “Começamos essa luta no ano 2000. Essa área verde tem 21 minas d’água e queremos salvá-las. A região precisa de um parque e São Paulo não tem muitas áreas assim.”

A Prefeitura informou que “a ocupação irregular da área impede a imissão na posse do terreno”, mas que um plano de atendimento para remoção das famílias já foi estruturado. Viana conta que sua relação com a preservação da natureza teve início quando ele tinha 7 anos. “Eu morava na roça, perdi meu pai muito cedo e comecei a trabalhar. Senti que precisava cuidar das florestas e das águas. Eu não desisto do verde.”

Augusta. Entre as principais disputas “verdes” hoje está a transformação em Parque Augusta da área que fica entre as Ruas Augusta, Caio Prado e Marquês de Paranaguá. A Justiça convocou reunião de conciliação nesta segunda-feira, 22, entre ativistas, Prefeitura e construtoras. 

A presidente da Sociedade dos Amigos e Moradores de Cerqueira César, Célia Marcondes, relata que foi a primeira a fazer um abaixo-assinado sobre o local, em 2001. “Sempre vi aquela área como um parque. Falta só ser doada. É o último respiro de uma região onde impera o cimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.