Grupo é flagrado no Shopping Paulista ao fazer compras com cartão roubado

Mulher foi atacada no carro e teve a bolsa roubada; jovem de 20 anos e três adolescentes participaram da ação; duas estão grávidas

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo,

20 Setembro 2012 | 03h47

SÃO PAULO - Quatro jovens, entre eles três menores de idade, foram dominados por seguranças do Shopping Paulista, no final da noite de quarta-feira, 19, após utilizarem no centro de compras o cartão de crédito de uma vítima, por eles atacada horas antes, na Baixada do Glicério, sob a Ligação Leste-Oeste, na região central da cidade.

A vítima, uma assistente de auditoria contábil, de 27 anos, teve um dos vidros traseiros do veículo estourado pela quadrilha ao se perder e parar o carro numa das ruas do Glicério para manipular o GPS. Um dos bandidos, após quebrar o vidro, invadiu o carro e pegou a bolsa que estava sobre o banco. "Eu estava indo para casa e me perdi. Desviei o caminho para deixar uma colega de trabalho e acabei entrando numa rua errada", afirmou a jovem. A

Após o roubo da bolsa, a vítima disse que, pelo celular, teve acesso a informações sobre a utilização do cartão de crédito dela.

Os jovens, naquele momento, realizavam compras no Shopping Paulista. Genieli Pereira Silva Garcia, de 20 anos, grávida de 8 meses, uma adolescente de 16 anos, grávida de 5 meses, e outros dois menores, de 15 e 16 anos, foram abordados pelos seguranças  após Genieli comprar dois pares de tênis.

A acusada, que já tem passagem por tráfico de drogas,  parcelou a compra para tentar despistar os funcionários da loja, porém eles desconfiaram e acionaram os seguranças.

Agentes do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) foram até o shopping e apreenderam os quatro criminosos, que foram encaminhados para o plantão do 78º Distrito Policial, dos Jardins. "Foi uma distração minha. Eu não costumo deixar a bolsa sobre o banco traseiro; deixo no chão, porém como dei carona, acabei não percebendo. A única coisa boa deste episódio que eu passei foi o fato de ter havido justiça", acrescentou a assistente durante conversa com a imprensa na delegacia.

"Eles (os criminosos) aproveitam o descuido das vítimas e atacam principalmente mulheres paradas no trânsito. Com essas velas do sistema de ignição de carro, eles estouram o vidro e realizam o roubo. O interessante é que dois dos menores eram procurados", afirmou um dos investigadores do Grupo 90 do Garra.

Um dos menores e a adolescente de 16 anos eram buscados pela Vara da Infância e Juventude, que havia determinado a internação deles na Fundação Casa (antiga Febem) após os pais não cumprirem as obrigações judiciais depois que tiveram os filhos devolvidos pela polícia na última vez em que os jovens foram apreendidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.