Grupo de teatro é barrado em Londres

Os nove atores se apresentariam em festival; governo inglês alegou que não havia permissão de trabalho

, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2010 | 00h00

Nove atores brasileiros que fariam uma apresentação teatral na Inglaterra foram barrados pelo Departamento de Imigração no Aeroporto de Heathrow, em Londres, e obrigados a retornar ao Brasil. Apenas um ator, com passaporte espanhol, entrou.

O grupo Teatro na Curva, que existe há oito anos e é tradicional na cena underground de São Paulo, chegou à capital inglesa na segunda-feira. Apresentariam uma peça no festival Camden Fringe, que emitiu uma carta de convite e informou ao grupo que isso era suficiente.

Ao mostrar passaportes, dinheiro, o convite e comprovar que tinham hospedagem, passaram por revistas, em alguns casos com "força excessiva", dizem os atores.

Os nove - sete homens e duas mulheres - foram "fichados", fotografados e tiveram registradas as impressões digitais.

"Senti-me humilhado e tratado como criminoso", afirma o ator Celso Melez, de 30 anos. Isso sem contar a perda dos valores pagos nas passagens, obtidos pelos atores por meio de festas e rifas. A apresentação era uma oportunidade de os artistas mostrarem o trabalho no exterior. Não receberiam nada por isso.

A justificativa do Departamento de Imigração, segundo Melez, foi que o festival não tinha a permissão necessária que liberasse os atores de documentos como visto de trabalho.

Os atores também se queixam do comportamento dos oficiais ingleses. "Eles falavam de forma natural, como se fossem nos liberar a qualquer hora. Diziam que eram trâmites", afirma a atriz Mariana Blanski, de 25 anos. À noite, eles foram escoltados até o avião. Quando tentaram procurar o Consulado brasileiro em Londres, já era tarde.

O Estado contatou o Departamento de Imigração inglês no fim da tarde de ontem, mas não obteve retorno. O Itamaraty informou que investiga o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.