PAULO IANNONE/FRAMEPHOTO/
PAULO IANNONE/FRAMEPHOTO/

Grupo CCR leva concessão da linha 15-Prata do monotrilho

Consórcio Viamobilidade, formado pela CCR e Grupo Ruas, foi o único interessado no leilão, que aconteceu na Bolsa de Valores de São Paulo

Luciana Collet, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2019 | 17h07
Atualizado 12 de março de 2019 | 00h52

O consórcio Viamobilidade, formado pela CCR e pelo Grupo Ruas, na proporção de 80% e 20%, foi o único interessado na concessão da Linha 15-Prata do monotrilho. A proposta foi de R$ 160 milhões, 0,59% acima da outorga. Com isso, o grupo CCR está à frente de três linhas em operação – a 4-Amarela, a 5-Lilás e o monotrilho –, mesmo número que a estatal Metrô, responsável pelas Linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. A CCR também vai assumir a Linha 17-Ouro, ainda em obras. 

Segundo o governador, João Doria (PSDB), as obras dessa linha serão retomadas imediatamente. A previsão do governo é de que mais quatro estações sejam entregues até o fim deste ano e um trecho adicional com mais uma estação ficará para 2021. Doria minimizou o baixo número de interessados no leilão da linha. “É a regra. Podem se apresentar uma, duas, três, quantas empresas desejarem, a regra é muito clara”, disse. “O triste seria vazio, estarmos aqui todos decepcionados pela falta de uma empresa com interesse para a conclusão de uma linha tão importante como essa. Se tivermos mais competidores, melhor, mas se tivermos sempre um que assuma a responsabilidade de levar adiante e concluir a obra, dentro do prazo e das condições impostas, assim será”, completou.

Ele salientou que a linha atende à zona leste paulistana, “região de baixíssima renda e de concentração de pessoas desempregadas, que agora o transporte público chega de qualidade e eficiente”.

O objetivo é conceder à iniciativa privada a operação e manutenção da Linha 15 por 20 anos. O trecho a ser concedido terá 11 estações de Vila Prudente a Jardim Colonial. 

Etapas

A concessão está dividida em duas fases, sendo a 1.ª de Vila Planalto a São Mateus e a 2.ª até Jardim Colonial, cuja previsão de operação está programada para o 2.º semestre de 2021. No total, serão mais de 15 km de vias elevadas e áreas reurbanizadas. 



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.