Grupo acerta Quina e se demite

20 funcionários de restaurante do Rio ganharam R$ 635 mil cada; 15 já abandonaram o emprego

HELOISA ARUTH STURM / RIO, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2012 | 03h05

A unidade da Barra da Tijuca do restaurante Cervantes, um dos mais tradicionais do Rio, perdeu de uma vez só 15 funcionários, entre garçons, copeiros e operadores de caixa. Ninguém foi demitido. Eles é que "demitiram" seu chefe, após ganhar parte do prêmio da Quina de São João, sorteada no sábado.

Um grupo de 20 empregados, dos 47 que trabalham no local, fez um bolão. Um dos bilhetes acertou todas as dezenas. Cada um dos sortudos, que ganhava em média R$ 2 mil mensais, vai receber R$ 635 mil. O prêmio total - de R$ 90 milhões - foi distribuído para sete bilhetes.

A identidade dos funcionários foi preservada. Todos apareceram para trabalhar na segunda-feira. O sócio-gerente Juan Carballo Blanco agora corre contra o tempo para reformular sua equipe. "Primeiro fiquei surpreso e contente, porque é a primeira vez na minha vida que vejo alguém conhecido ganhar. Mas aí fui ficando preocupado, porque é um desfalque bom."

As vagas abertas já estão sendo preenchidas por indicação. "Eles mesmos, que são funcionários antigos, estão trazendo amigos", disse Blanco. Ele agora espera pelo pedido de demissão dos outros cinco empregados.

Alguns planos já começam a ser construídos. Os com visão mais empreendedora já querem montar negócio próprio. Um vai abrir um mercadinho, outro decidiu investir no mercado imobiliário. Há também os que pretendem ajudar a família. Um deles decidiu levar os parentes de volta para o Ceará.

Nem todos entraram no bolão. Um dos funcionários ficou de fora porque foi levar o filho ao aeroporto, o outro porque faltou ao trabalho por estar doente, outros por trabalhar em turno diferente.

Mas ninguém deve ter sentido tanto quanto o copeiro Lúcio Osório. Apostador habitual, ele tinha o dinheiro na mão, mas decidiu não participar do bolão. "Não sei o que deu em mim. Não apostei e peguei o dinheiro de volta", disse ele, que costuma apostar em todo tipo de jogo, mas perde mais do que ganha. "Fiquei muito feliz por eles, mas no domingo bateu um desânimo de trabalhar. Chorei muito."

Por enquanto, os ganhadores decidiram fazer uma vaquinha e dar R$ 1 mil para ele e para os outros 26 funcionários que não participaram. Todos ficaram mais motivados e acreditam que a sorte ronda o local.

Agora, pretendem continuar a tradição, que já existe há sete anos. Lúcio não desanimou. "Eu vou continuar apostando direto agora. Já deixei R$ 10 com a minha mãe para jogar. Sábado tem jogo, né?!"

Mais vencedores. Em Curitiba, 26 policiais militares também acertaram um bolão da Quina de São João. E trabalharam ontem normalmente. Cada PM sortudo vai receber R$ 488 mil. "Ao saber da notícia na segunda-feira, todos ficaram felizes. Alguns vieram até mim para lamentar o fato de eu não ter entrado no bolão. Mas, no final, foi um fato positivo que deu alegria a todos aqui", disse o coronel Guilherme Rocha. / COLABOROU JULIO CESAR LIMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.