Divulgação/Prefeitura
Divulgação/Prefeitura

Greve de servidores paralisa serviços em Pilar do Sul

Município no interior paulista está sem coleta de lixo; as quatro escolas estão fechadas e as unidades básicas de saúde suspenderam vacinação; só casos de urgência são atendidos

José Maria Tomazela, S. Paulo

26 Fevereiro 2016 | 10h05

SOROCABA - Desde a manhã desta quarta-feira, 26, os principais serviços públicos estão paralisados em Pilar do Sul, cidade de 30 mil habitantes no interior paulista, por causa de uma greve de funcionários da prefeitura. Sem coleta, o lixo se amontoa nas ruas e as quatro escolas municipais, incluindo as que funcionam também como creche, estão fechadas. As unidades básicas de saúde suspenderam consultas e vacinação, e apenas os casos de urgência são atendidos no pronto-socorro municipal. Os serviços de combate ao mosquito Aedes aegypti estão prejudicados.

Os 800 funcionários reivindicam reajuste de 10,48% nos salários, mas a prefeitura informou que, de imediato, só pode dar 5,24% para não incorrer na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). De acordo com o secretário de Finanças, José Francisco de Lima, o aumento integral levaria os gastos com o funcionalismo acima do teto de 54% da receita, imposto pela LRF.

A proposta da prefeitura, de dar o aumento em duas vezes, foi rejeitada em assembleia na manhã desta sexta-feira, 26. O município recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) contra a paralisação de serviços essenciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.