TABA BENEDICTO / ESTADAO
TABA BENEDICTO / ESTADAO

Greve de ônibus em São Paulo: veja alternativas de transporte

Sindicato dos motoristas aprovou paralisação e capital deverá enfrentar dia difícil no trânsito nesta sexta. Especialista destaca importância de se evitar deslocamentos desnecessários

Guilherme Amaro e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2019 | 20h55
Atualizado 06 de setembro de 2019 | 12h20

SÃO PAULO - O Sindicato dos Motoristas (Sindmotoristas) confirmou para esta sexta-feira, 6, uma greve de ônibus na cidade de São Paulo a partir da meia-noite e sem previsão de término. A paralisação deverá afetar o trânsito em toda a capital e a Prefeitura já informou que o rodízio de veículos estará suspenso ao longo do dia. Aplicativos de transporte oferecerão desconto e o Metrô e a CPTM terão operação reforçada diante do esperado crescimento na demanda. Confira o que deve mudar na rotina da capital e mande seu relato sobre o deslocamento na sua região:

Prefeitura libera rodízio

Diante da restrição nas opções de transporte público, a Prefeitura informou que o rodízio de veículos estará liberado ao longo desta sexta-feira. A medida já começou a valer na tarde desta quinta, quando uma manifestação da categoria havia fechado 21 terminais de ônibus, dificultando o deslocamento da população.  Também será suspensa a Zona Máxima de Restrição a Fretados e liberado uso gratuito das vagas de Zona Azul.

Metrô e CPTM reforçam operação

A Companhia do Metropolitano e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informaram que, para atender a demanda, as linhas vão antecipar o horário de pico e operar com oferta máxima de trens na manhã desta sexta . A orientação dada pela CPTM para quem precisar mudar o trajeto em função da paralisação dos ônibus é consultar o site www.cptm.sp.gov.br e também as redes sociais da companhia (Twitter @CPTM_oficial e Facebook @CPTM.fanpage) para "planejar da melhor forma possível seus deslocamentos neste dia atípico". 

Trajetos de bicicleta, a pé e caronas solidárias

A Prefeitura disse que, para as pessoas que realizam deslocamentos curtos, a recomendação é a "utilização de bicicletas ou que façam seus trajetos a pé". Além disso, é importante planejar o caminho e conversar com colegas de trabalho e vizinhos para organizar caronas solidárias.

Apps oferecem desconto em patinete e bicicleta grátis

A Lime, empresa de aluguel de patinetes, informou que vai oferecer três desbloqueios gratuitos para os usuários, tanto para quem já possui conta quanto para quem instalar o aplicativo pela primeira vez. Para utilizar o benefício, é preciso inserir o código MELEVASP. A promoção já está disponível e continuará durante toda o dia nesta sexta-feira. A Grow disse que reforçará a distribuição de bicicletas e patinetes nesta sexta.

O BikeSampa, sistema de bicicletas compartilhadas do Itaú, anunciou gratuidade para o plano diário de locação de bicicletas. "A iniciativa busca minimizar possíveis transtornos que venham a ser causados pela greve de ônibus", disse a empresa. Para usufruir do benefício, os interessados precisarão realizar o cadastro no sistema do Bike Sampa e colocar o código promocional ZEROREAIS. O programa conta com 260 estações e 2.600 bicicletas, em diferentes pontos da cidade.

Táxi: confira as tarifas

Para aqueles que optarem pelos táxis, as tarifas vigentes são as seguintes: Bandeira 1 (das 6h às 20h, de segunda a sábado) - R$ 4,50 mais a tarifa de R$ 2,75 por quilômetro rodado; Bandeira 2 (das 20h às 6h, de segunda a sábado, e o dia todo aos domingos) – Acréscimo opcional de 30% sobre a tarifa quilométrica.

Justiça determina 70% da frota de ônibus em circulação nos picos

A Prefeitura conseguiu junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) decisão favorável para aumentar a circulação da frota nesta sexta. Segundo a administração municipal, em razão da característica de serviço essencial, houve a determinação para que se mantenha o funcionamento de no mínimo 70% da frota nos horários de pico (6h às 9h e 16h às 19h) e de 50% nos demais horários, sob pena de multa de R$ 100 mil por dia em caso de descumprimento.

Evite deslocamento desnecessários

Para tentar diminuir o impacto da greve, o urbanista e consultor de engenharia de tráfego Flamínio Fichmann diz que as empresas poderiam propor home office para funcionários com funções administrativas. "Hoje em dia, o fluxo de pessoas indo e voltando do trabalho tem um peso muito grande. Quem realmente necessita se deslocar vai ter que acessar um outro meio de transporte, como o Metrô e a CPTM. Para chegar às estações, uma alternativa é utilizar bicicletas ou patinetes".

Fichmann acredita que as pessoas deveriam evitar deslocamentos que não sejam "absolutamente necessários" durante esta sexta-feira. "Seria melhor mudar a data de compromissos que não sejam trabalho, educação e saúde. Se alguém tem alguma visita agendada ou iria fazer compras, por exemplos, o ideal é tentar mudar a data do compromisso". 

Greve foi aprovada nesta quinta e luta contra 'desmonte'

A paralisação foi votada pelos funcionários na tarde desta quinta-feira, 5, e cobra providências contra o que chamam de desmonte do setor, evidenciada por uma suposta redução na frota em circulação. A categoria cobra o pagamento de valores relativos à participação nos lucros e resultados (PLR) e ainda incluem na pauta de reivindicação apoio aos cobradores, função que eles dizem estar ameaçada pelas mudanças no sistema. Tudo isso se soma a problemas enfrentados pela Prefeitura no andamento da licitação do transporte coletivo municipal.

Mandeu seu relato

Você ficou preso no trânsito ou encontrou outras dificuldades para se deslocar? Deixe seu relato na caixa de comentários abaixo ou envie por WhatsApp para o número (11) 9-9147-5968.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.