Thiago Teixeira/AE
Thiago Teixeira/AE

Greve de coveiros termina, mas fila de enterros continua

Parecer do TJ contrário à paralisação esfriou movimento; no Cemitério de Itaquera, sepultamentos ainda estavam atrasados

Felipe Tau, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2011 | 00h00

Após quatro dias de paralisação, o Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias do Município de São Paulo (Sindsep) decidiu ontem suspender a greve no Serviço Funerário.

A reportagem apurou que a decisão contrária à greve do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) amedrontou os grevistas, que começaram a retornar ao trabalho. Coveiros e agentes de transporte do setor prometem trabalhar normalmente neste fim de semana, mas devem voltar a se reunir na segunda-feira para assembleia.

O desembargador David Hadadd, do TJ-SP, determinou anteontem a suspensão da greve, sob pena ao sindicato de multa diária de R$ 60 mil por descumprimento. Sérgio Antiqueira, um dos diretores do Sindsep, informou que está recorrendo da decisão "e vai recorrer até a última instância, se preciso". "A orientação é voltar a trabalhar a partir de agora, mas apenas nos serviços essenciais: de transporte de cadáveres e de coveiro", afirma.

Os quatro dias de paralisação causaram grandes transtornos à população. A espera por sepultamentos chegou a 54 horas, guardas-civis metropolitanos foram obrigados a dirigir veículos com corpos e carregar caixões e o Estado flagrou anteontem até enterros noturnos, proibidos por norma municipal. Ontem, o traslado dos corpos ainda era feito por guardas-civis, mas a situação começava a se normalizar. "Normalmente fazemos dez enterros por dia. Hoje temos cinco", disse um funcionário da administração.

No Cemitério Municipal de Itaquera, zona leste, todos os funcionários da administração voltaram ao trabalho e os enterros, feitos até quarta-feira por agentes terceirizados da limpeza, eram realizados por sepultadores da Prefeitura.

Reivindicação. O sindicato pede reajuste de 39,79% nos salários-base dos servidores públicos, além de extensão de gratificações a todos os funcionários. A Prefeitura oferece aumento de 15% no piso para jornada de 40 horas, de R$ 545 para R$ 630. "Esperamos ser recebidos na segunda-feira pelo prefeito Gilberto Kassab (sem partido) para retomar as negociações. Se não formos e os trabalhadores decidirem seguir com a greve, vamos seguir, mesmo com a decisão da Justiça", ameaça Antiqueira. A greve, que abrange outros setores do funcionalismo público, continua nas áreas de esporte, saúde, cultura, habitação, finanças e nas subprefeituras.

O prefeito Gilberto Kassab havia autorizado a contratação de 135 agentes funerários, em caráter de emergência. Ontem, foi publicada no Diário Oficial autorização para contratação do mesmo número de funcionários via concurso público. "O Kassab ameaçou demitir, não posso correr o risco de perder o emprego", disse um coveiro, sem se identificar. Três dos 12 coveiros do cemitério retomaram as atividades ontem.

Para amenizar os efeitos da greve, a Prefeitura continua deslocando 262 GCMs para o transporte, além de deixar responsáveis pelos sepultamentos os funcionários da empresa terceirizada que faz a manutenção dos cemitérios. A administração também contratou 15 carros de agências funerárias particulares..

Improviso

Embora o sindicato tenha declarado a suspensão da greve ontem, nenhum sepultador tinha voltado ao Cemitério da Vila Formosa. E o serviço teve de ser improvisado por outros funcionários.

Grávida, dona de casa tem problemas para sepultar filho

No Cemitério da Vila Formosa, na zona leste, o maior da cidade, usuários relataram muitas dificuldades na realização de enterros, apesar do anúncio de suspensão da greve dos servidores.

"Chegamos aqui e tive de brigar para enterrar meu filho", diz a dona de casa Dorotéia de Oliveira Silva, de 36 anos.

Grávida de seis meses, ela havia acabado de ver o sepultamento do filho Hamilton, de 19, morto na quinta-feira de parada cardiorrespiratória. "Não tem carro, é um absurdo. Coloquem quem for, mas precisa ter carro!"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.