Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Grella autoriza volta da bala de borracha em manifestações violentas

O secretário Estadual de Segurança Pública de São Paulo afirmou que a munição não letal voltará a ser empregada em distúrbios mais graves; também foi anunciada a criação de uma força-tarefa para punir vandalismo

O Estado de S. Paulo

08 de outubro de 2013 | 17h20

Atualizada às 18h02

SÃO PAULO - A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo fará uma força-tarefa com o Ministério Público Estadual (MP-SP) para a criação de uma via rápida que permita identificar e processar aqueles que pratiquem atos de vandalismo em manifestações. A medida foi anunciada na tarde desta terça-feira, 8, um dia depois da onda de depredação que tomou o centro da capital na noite dessa segunda, após um protesto pacífico de professores e estudantes. A volta do uso da bala pela Polícia Militar, em casos de vandalismo, também foi autorizada pelo Secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira.

Grella fez o anúncio ao lado do procurador-geral do MP-SP, Márcio Fernando Elias Rosa. Segundo o secretário, já existem inquéritos, boletins de ocorrência, fotos e filmes para subsidiar os promotores em futuros processos contra manifestantes que abusam da violência.

Ele afirmou também que a PM deve voltar a usar bala de borracha em ocorrências mais graves, como os dessa segunda, quando foram lançados coquetéis molotov e esferas de metal contra a polícia. "Tem um tenente que corre o risco de perder a visão, porque foi atingido por uma esfera de aço. Em casos como esse, a bala de borracha é justificável", disse Grella.

Mais conteúdo sobre:
protestosspmanifestações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.