Grávida baleada em assalto na zona sul tem morte cerebral

A assistente administrativa Daniela Nogueira de Oliveira, de 25 anos, teve ontem a morte cerebral confirmada pelos médicos do Hospital Municipal do Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, depois de ter sido baleada na noite de terça-feira, quando chegava em casa, durante uma tentativa de assalto. A vítima estava grávida de nove meses - os médicos salvaram a criança. A polícia procura agora o suspeito.

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2013 | 02h05

Daniela entrou em coma depois de receber um tiro na cabeça e era mantida viva com a ajuda de aparelhos. "Eles fizeram um procedimento por três vezes para ver se ela reagiria ou não. Foi uma bateria de exames", disse o cunhado da vítima, o professor Gilcemar Araújo de Oliveira, de 23 anos. A confirmação da morte aconteceu às 15h08, 42 horas depois de ler levada ao hospital.

A filha de Daniela, Gabriela, que nasceu com 2,2 kg, deixou ontem a unidade de terapia intensiva e deve receber alta até amanhã. Segundo Oliveira, a criança ficará com a família paterna num primeiro momento.

No início da noite, moradores do Condomínio Horto do Ypê, também no Campo Limpo, onde a assistente morava e foi assassinada, realizaram um protesto contra a violência.

Ontem, a polícia fez um retrato falado do criminoso que disparou contra a assistente - o comparsa dele não foi identificado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.