Grande SP: chacina e ônibus queimados

Encapuzados dispararam contra bar em Osasco e mataram 3 pessoas. Na capital, dois coletivos ainda foram incendiados e 1, apedrejado

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2012 | 03h07

Em mais uma noite violenta na Grande São Paulo, quatro pessoas foram mortas - três em Osasco e uma em Taboão da Serra. Na zona norte da capital, três ônibus também foram atacados. A polícia ainda não tem pistas do motivo das mortes e investiga as causas dos ataques aos coletivos.

A madrugada deu sequência ao fim de semana violento. Na noite de sexta-feira, seis pessoas foram executadas e três ficaram feridas na zona sul. Os assassinatos ocorreram no Capão Redondo, em Santo Amaro, no M'Boi Mirim e no Parque Santo Antônio. Em Ribeirão Preto, no interior, cinco pessoas foram mortas a tiros e 14 ficaram feridas. Comerciantes fecharam estabelecimentos. A polícia investiga os casos.

Na madrugada de ontem, dois homens encapuzados chegaram em uma moto a um bar na Rua Serafim Marques dos Reis, na Vila Pestana, em Osasco, a 200 metros do 1.º Distrito Policial do município, por volta da 1 hora, e dispararam contra os clientes. Foram 30 tiros com uma metralhadora calibre 9 mm e 11 com uma pistola .45. Eles descarregaram as duas armas.

O alvo principal era uma mesa onde estavam José Roberto de Carvalho, de 51 anos, Eduardo Fernandes Rondon, de 43, e Luciana Oliveira Cerqueira, de 37. Carvalho e Rondon morreram na hora. Luciana, que ainda conseguiu proteger a filha menor de idade, foi socorrida e levada para o Pronto-Socorro da Vila Pestana, onde morreu.

Outras cinco pessoas foram baleadas, socorridas e não correm risco de morte. Segundo uma aposentada de 77 anos, vizinha do bar, o barulho foi intenso. "Foi horrível, um tiro atrás do outro. Tinha até criança no bar", contou.

A hipótese mais forte até o momento é a de que os atiradores estavam atrás de Carvalho, conhecido como Guru. Ele estava em liberdade desde 2006, após ter passado dez anos preso, condenado por crimes como homicídio, tráfico, roubo e formação de quadrilha.

O delegado seccional de Osasco, Mauro Guimarães Soares, afirmou que Carvalho não morava na cidade atualmente, embora já tenha vivido na localidade. Ele não era mais procurado pela Justiça. Seu corpo foi enterrado ontem.

No bar, a PM encontrou três máquinas de caça-níqueis e material de jogo do bicho. O responsável pelo estabelecimento, um comerciante de 54 anos, afirmou à polícia que recebia 30% do valor arrecadado com os caça-níqueis e R$ 200 mensais com o jogo do bicho.

Em Taboão da Serra, no domingo à noite, o corretor de imóveis Roberto Macedo dos Santos, de 36 anos, foi baleado por dois homens em uma moto quando chegava em casa, no Jardim América, acompanhado da mulher e do filho. A polícia investiga o caso.

Fogo. Dois ônibus foram incendiados anteontem à noite no Jaçanã, zona norte da capital. O primeiro ataque foi registrado na Rua Abílio Pedro Ramos contra um coletivo da Linha 0163 (Terminal Tucuruvi-Jardim Palmira), da Viação Vila Nova Galvão. Um ônibus da Linha 1782 (Vila Nova Galvão/Metrô Santana), da Viação Sambaíba, também foi queimado. Vândalos atacaram ainda outro ônibus da mesma linha com pedras. As ações seriam um protesto contra a morte de um rapaz na noite de sexta-feira passada, na Vila Nova Galvão, também na zona norte./COLABOROU BRUNO PAES MANSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.