Grande São Paulo tem três marias-fumaças

Além da vila em Santo André, Perus e Mooca, na capital, oferecem tours por até R$ 6

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2010 | 00h00

O Expresso Turístico não é a única opção para quem quer, por nostalgia, lazer ou cultura, passear de trem em São Paulo. No domingo, uma das atrações do 1.º Festival da Primavera, no Parque Anhanguera, será um passeio de maria-fumaça.

Com saídas a partir das 10h, a locomotiva vai percorrer 2 quilômetros dos trilhos que ligavam o distrito de Perus à cidade de Pirapora do Bom Jesus, em 1912. "A ferrovia funcionou até 1986", conta Paulo Rodrigues, presidente do Instituto de Ferrovias e Preservação do Patrimônio Cultural, responsável pela máquina.

Se depender da vontade da Subprefeitura de Perus, os passeios - de graça, com duração de 15 a 20 minutos - devem se repetir. "Se der tudo certo, teremos uma programação constante", diz a supervisora de Cultura da subprefeitura, Irene de Paiva.

Há ainda a maria-fumaça que faz o passeio pela Mooca, ao lado do Memorial do Imigrante. Todos os sábados e domingos, entre 10h30 e 16h30, a locomotiva faz um trajeto de 25 minutos, com saídas a cada hora. "Um monitor conta a história das ferrovias", explica Anderson Conte, da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, que organiza o tour. Há dois tipos de vagão: o de 1900, todo de madeira, era usado para trazer os imigrantes de Santos para São Paulo (R$ 6); o de aço é dos anos 1950 e tem locomotiva de 1922, original da Central do Brasil (R$ 5).

A associação ainda atua em Paranapiacaba. Lá, aos sábados e domingos, entre 10h30 e 16h30, o passeio oferecido é na mais antiga locomotiva em funcionamento no Brasil: de 1867 - o vagão, único, é de 1914 (R$ 5).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.