Reprodução Facebook/Mundano
Reprodução Facebook/Mundano

Grafiteiro lava muro com água e frase apagada pela Prefeitura reaparece

'Me engajei no programa #CidadeLinda e fui remover sua maquiagem e assim revelar sua beleza de verdade', escreveu o artista em uma rede social

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2017 | 12h04
Atualizado 20 Janeiro 2017 | 20h34

SÃO PAULO - O grafiteiro Mundano lavou com água e escovão um muro no Largo da Batata, na zona oeste da capital paulista, na madrugada de nesta sexta-feira, 20. Ele havia sido coberto de tinta branca pela Prefeitura de São Paulo. Esta foi a terceira vez que a administração municipal tentou encobrir a frase que ele havia escrito: "Não dê vexame, São Paulo não é Miami". O episódio ocorre na semana em que o prefeito João Doria (PSDB) deu início à limpeza de pichações e grafites. 

Na manhã de quinta-feira, o artista foi ao local para lavar o muro com água e a pichação reapareceu. Ironizando o programa Cidade Linda, ação do tucano para "embelezar" a cidade, o artista escreveu em uma rede social: "Depois da minha arte sair na mídia, o #CidadeLinda apagou, mas parece que já acabou o estoque de tinta cinza. Me engajei no programa #CidadeLinda e fui remover sua maquiagem e assim revelar sua beleza de verdade". No mesmo dia, a gestão limpou o muro. De madrugada, o grafiteiro voltou ao local e, novamente, passou água e escovão. "E a Prefeitura insiste que cidade linda é cidade calada e pálida! A censura é o maior dos elogios e o nosso maior desafio", disse em uma rede social.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a pintura no muro pichado do Largo da Batata faz parte da zeladoria da Prefeitura Regional de Pinheiros e o trabalho "está apenas no início". "A cobertura completa exige várias demãos de tinta e o trabalho citado está apenas no início. Foi dada a primeira demão e a continuidade do serviço, por conta da chuva intermitente, acontecerá nos próximos dias, assim que as condições meteorológicas permitirem", disse a gestão Doria.

Procurado, Mundano se manifestou por nota. "Acredito que o caminho para São Paulo ser uma Cidade Linda não seja com base em um discurso de negação à liberdade de expressão, incitação ao ódio entre seus próprios cidadãos e com referências estéticas e conceituais de uma cidade tão díspar como Miami", afirmou. "Pacificamente limpei sua maquiagem para tentar devolver um pouco de sua cor e sua voz, pois a "lindeza" dessa cidade tão singular está em sua diversidade."

Detenções. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) deteve na madrugada desta sexta dois homens e duas adolescentes que picharam xingamentos a Doria em uma mureta na Praça da República, na região central de São Paulo. Eles foram encaminhados por volta de meia-noite ao 2.º Distrito Policial (Bom Retiro), assinaram um termo circunstanciado e foram liberados. 

Os guardas receberam denúncia apontando que o muro estava sendo pichado e, ao abordar dois homens, de 28 e 37 anos, eles confessaram a prática. Foi apreendida uma lata de tinta spray. Duas adolescentes, de 16 e 13 anos, também participaram da pichação. 

No sábado passado, câmeras de monitoramento da GCM no Edifício Matarazzo, sede da Prefeitura, flagraram um homem pichando uma das laterais do edifício. Uma equipe foi ao local e prendeu o homem. A ocorrência foi encaminhada ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e um inquérito foi instaurado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.