Governo vai pagar esgoto de famílias de baixa renda

Plano é ligar cerca de 190 mil casas à rede em 8 anos; projeto vai beneficiar quem ganha até 3 salários mínimos

O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h04

O governo estadual e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) vão bancar a obra de ligação na rede de tratamento de esgoto de 192 mil residências nos próximos oito anos. A medida deve beneficiar aproximadamente 800 mil pessoas, a maioria delas na Região Metropolitana de São Paulo e na Baixada Santista.

O anúncio das obras de saneamento será formalizado hoje pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), que encaminhará um projeto de lei à Assembleia Legislativa para votação. De acordo com a diretora-presidente da Sabesp, Dilma Pena, 60% das ligações serão na Baixada e na Grande São Paulo. O benefício será concedido a famílias com renda de até três salários mínimos.

O custo médio para realizar uma obra de conexão à rede de esgoto varia entre R$ 1,5 mil e R$ 1,7 mil. Após concluído o serviço, as famílias passarão a pagar uma taxa de tratamento de esgoto de R$ 20. A verba do programa é de aproximadamente R$ 350 milhões - 80% investidos pelo governo do Estado e o restante pela Sabesp.

A companhia já tem um levantamento dos endereços das famílias que se enquadram no programa. Os contatos com elas serão feitos por agentes comunitários da Sabesp. O dinheiro não será repassado diretamente às famílias e as obras serão realizadas pela própria Sabesp. Até 2015, o governo pretende alcançar um índice de 84% do esgoto tratado na Grande São Paulo. /CIDA ALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.