Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Governo lança aplicativo 'SOS Mulher' para vítimas de violência em SP

Ferramenta permite que as vítimas possam pedir socorro quando estiverem em situação de risco apertando um botão por cinco segundos

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2019 | 15h14

SÃO PAULO - O governo de São Paulo lançou nesta sexta-feira, 22, um aplicativo para agilizar o atendimento de mulheres, homens e crianças com medidas protetivas. 

O 'SOS Mulher' permite que as vítimas possam pedir socorro quando estiverem em situação de risco apertando um botão por cinco segundos. Atualmente, mais de 70 mil pessoas estão aptas a utilizar o serviço.

A medida visa agilizar e priorizar o atendimento destas pessoas, deslocando as equipes mais próximas ao local da ocorrência. O chamado também vale caso o interessado não consiga realizar o cadastro, esteja com problemas no aplicativo ou para quem não possui medida protetiva e precisa pedir socorro.

Para usar o aplicativo, que está disponível no Google Play ou na App Store, é necessário a realização de um cadastro com os dados pessoais para que as informações possam ser checadas junto ao Tribunal da Justiça de São Paulo (TJSP). Somente após a confirmação positiva da ferramenta que o serviço poderá ser utilizado.  

Como funciona

Após apertar por cinco segundos o botão do aplicativo "SOS Mulher" é gerado automaticamente uma ocorrência de risco à integridade física pelos Centros de Operações da Polícia Militar (Copom) em todo o Estado de São Paulo.

O atendimento será priorizado e a PM utilizará as coordenadas geográficas da pessoa, entre outros dados do cadastro, para encaminhar a viatura policial mais próxima para atendimento imediato à vítima.

Após a chegada da equipe policial no endereço, é essencial que o usuário apresente a decisão do juiz, comprovando o descumprimento da medida protetiva e as providências decorrentes.

Em caso de acionamento indevido, a pessoa deve acionar a PM rapidamente pelo telefone 190 e cancelar a ocorrência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.