Governo do Estado recorre a ônibus grátis para desafogar trem e metrô

Medida vale para as 55 linhas do Terminal Santo Amaro; ideia é evitar que usuário chegue às superlotadas Linhas 9, da CPTM, e 4-Amarela

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2012 | 03h02

Na tentativa de desafogar as superlotadas Linhas 9-Esmeralda, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), e 4-Amarela, do metrô, o governo do Estado vai pagar a passagem de ônibus dos usuários do Terminal Santo Amaro, na zona sul de São Paulo. A ideia é que esses passageiros optem pelo ônibus em vez de seguir viagem pelos ramais.

A medida vale a partir de 15 de outubro, durante todo o dia, para passageiros que vêm da Estação Largo Treze, da Linha 5-Lilás do metrô - e só para quem usa bilhete único, ou 85% dos usuários, segundo o governo.

O secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, "culpa" o crescimento da demanda em pouco tempo pela superlotação. "Na Estação Santo Amaro, há dois anos, você tinha 8 mil passageiros por dia. Agora, tem 160 mil. Cresceu 20 vezes", afirma Fernandes.

Para o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que anunciou a mudança ontem pela manhã, a medida é um "gerenciamento da demanda existente". "Estamos aumentando a oferta (de linhas no Metrô). Mas precisamos gerenciar a demanda", afirmou.

A novidade vai funcionar da seguinte forma: o passageiro que usa bilhete único vai pagar R$ 3 para acessar a Linha 5 e precisará desembarcar na Estação Largo Treze, parada final do ramal. De lá, vai caminhar até o Terminal Santo Amaro da SPTrans e, sem pagar passagem, embarcará em qualquer uma das 55 linhas de ônibus que operam no local.

A economia é de R$ 1,65 por viagem - mesmo valor que o usuário economizaria caso optasse por fazer integração com trens para seguir até o centro da cidade. Na volta para casa, quem embarcar na Estação Largo Treze depois de descer do ônibus também não pagará o bilhete.

O governo do Estado não revelou quanto vai gastar com a medida e quantas pessoas devem ser beneficiadas. A política deve durar até a abertura do prolongamento da Linha 5-Lilás até a Estação Chácara Klabin, na zona sul, prevista para 2015.

Demanda. O crescimento do número de usuários é resultado da abertura da Linha 4-Amarela, no ano passado. Os usuários da Linha 5 descem em Santo Amaro, fazem integração com a Linha 9-Esmeralda da CPTM e seguem até a Estação Pinheiros, da 4-Amarela.

A ViaQuatro, empresa que gerencia a Linha 4-Amarela, afirmou, em nota, que "todas as medidas que visam a proporcionar mais conforto aos usuários são bem-vindas". A linha privada, que contabiliza 666 mil passageiros por dia, pode perder receita com a medida. Segundo a concessionária, porém, "haverá apenas uma redistribuição do fluxo de passageiros".

Desconto. Outra medida confirmada ontem para conter a superlotação pelo menos no horário de pico da manhã foi o desconto de R$ 0,50 na tarifa na Linha 5-Lilás e na 9-Esmeralda da CPTM, das 9h às 10h, de segunda a sexta.

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos pretende fazer com que parte dos usuários da rede espere um pouco para embarcar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.