Governo Dilma libera 1ª parcela de R$ 6,4 mi

A Prefeitura de São Paulo promete abrir até março dez abrigos, com cem vagas no total, para dependentes de crack. As residências terapêuticas servirão como moradia para dependentes no fim do tratamento. O Ministério da Saúde começou ontem a liberar a verba mensal, acordada em dezembro, do Plano Nacional de Combate à Droga. Serão R$ 6,4 milhões neste ano, segundo o ministro Alexandre Padilha. O dinheiro será usado na expansão das vagas.

O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2012 | 03h03

Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) para dependentes de álcool e drogas serão monitorados. Nas regiões com mais demanda, a Prefeitura terá de usar o dinheiro para garantir funcionamento ininterrupto. O investimento federal vai bancar também 16 equipes de saúde que buscam dependentes nas ruas.

O secretário de Estado da Saúde, Giovanni Guido Cerri, anunciou, na presença do ministro, a construção de um hospital para tratar dependentes em Botucatu neste semestre e o projeto de abrir outro em Ribeirão Preto.

Enquanto o prefeito Gilberto Kassab (PSD) circulava no CAPs Sé com Padilha e os petistas Adriano Diogo e Eduardo Suplicy, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e os secretários da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, e da Cultura, Andrea Matarazzo - que rebatem críticas do PT à política tucana contra o crack - estavam no Parque Dom Pedro. Mas eles não se encontraram. / F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.