Governo de São Paulo
Governo de São Paulo

Governo de SP inicia em 60 dias obras de ampliação do complexo da Estação Vila Prudente do Metrô

As obras para comportar o aumento de passageiros com a expansão das Linhas 2-Verde e 15-Prata, em direção ao extremo da zona leste da capital paulista, vão durar 30 meses

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2021 | 14h20

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta terça-feira, 9, a ampliação do complexo da Estação Vila Prudente do Metrô, das Linhas 2-Verde e 15-Prata. As obras serão iniciadas em 60 dias, com duração de 30 meses. Ao custo de R$ 54 milhões de investimento, o projeto contará com mais escadas rolantes, novos sanitários, aumento dos espaços de circulação e criação de espaço comercial. A demanda diária de passageiros neste trecho que hoje é de 55 mil, deverá passar para 89 mil.

Também no anúncio, o secretário dos Transportes Metropolitanos (STM), Alexandre Baldy, afirmou que as obras serão iniciadas em dois meses, mas o prazo de 30 meses se inicia imediatamente. "Assinada a ordem de serviço, o prazo de 30 meses começa a valer, mas lembrando que a elaboração dos projetos levará até 60 dias para que a obra se inicie", disse.

"Agora, com a ampliação do complexo da Estação Vila Prudente, vamos aumentar a conexão da zona leste com a Avenida Paulista e com a ramificação para todo o complexo de mobilidade que o Metrô e a CPTM permitem no uso do sistema público de transporte", afirmou o governador.

Ainda segundo a STM, será elaborado um projeto executivo, seguido de obras para comportar o aumento da demanda de passageiros previsto com a ampliação da Linha 2-Verde até Guarulhos - já em obras no trecho até Penha - e da Linha 15-Prata até Cidade Tiradentes - em licitação para o trecho até a Jacu-Pêssego. 

Na área da estação da Linha 2, que é subterrânea, serão instaladas mais quatro escadas rolantes - duas em cada plataforma. Para isso, as salas técnicas com equipamentos de ventilação serão remanejadas. Além disso, novos sanitários com cabines acessíveis serão construídos na área da integração, possibilitando a desativação dos atuais que estão no mezanino para aumentar a área de passagem.

Também será feita a ampliação da entrada da Rua Cavour, com uma escada maior e rampa para facilitar a acessibilidade, além do aumento da iluminação. A área da estação Vila Prudente que recebe os trens do monotrilho da Linha 15-Prata também terá a iluminação do mezanino reforçada.

Os trabalhos serão realizados pelo Consórcio Sinalta Robmark, que vai iniciar a elaboração do projeto executivo e depois dar início ao andamento das obras, que estão previstas para começarem no segundo trimestre deste ano.

Leitos de UTI para a covid-19 

Ainda durante o anúncio da ampliação do complexo da Estação Vila Prudente do Metrô, das Linhas 2-Verde e 15-Prata, o governador João Doria (PSDB) afirmou que aguarda manifestação do Ministério da Saúde sobre reabilitação de leitos de Unidade Terapia Intensiva (UTI) para o Estado de São Paulo

Recentemente, Doria acusou o Ministério da Saúde de impor ao governo do estado o fechamento de 3.258 leitos de UTI destinados ao tratamento de pacientes internados com covid-19.   

"Estamos com medida judicial pronta. Não havendo manifestação do Ministério da Saúde até as 18 horas desta terça-feira, São Paulo ingressará nesta quarta-feira, 10, no Supremo Tribunal Federal (STF) para exigir que os leitos de UTI sejam reabilitados para o Estado de São Paulo. Acredito que este seja o mesmo procedimento a ser adotado por outros Estados", disse.

O Ministério da Saúde alega que não tem mais recursos. No entanto, segundo Doria, não é novidade que a habilitação de leitos tenha prazo definido e determinado. "O que é surpresa é a falta de planejamento e controle sobre a manutenção desses leitos de UTI nos Estados brasileiros. Sem UTI, você não consegue salvar vidas, você escolhe aquelas vidas que podem prosseguir na existência e aquelas que, por falta de atendimento na UTI, vão a óbito", afirmou.

Sobre vacinas, o governador de São Paulo lembrou que nesta quarta-feira chegará mais um lote da China do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), substância usada para a produção da vacina da covid-19.

"Somente nessas duas semanas, são 16 milhões e 400 mil doses da vacina do Butantan. De cada dez pessoas vacinadas, 9 estão recebendo a vacina do Butantan, graças aos nossos esforços. No entanto, precisamos de mais vacinas. A vacina de Oxford, que será fabricada pela Fiocruz, a Sputnik, a Moderna e da Pfizer. Ou seja, todas as que possam ter homologação e autorização da Anvisa são necessárias para imunizar os brasileiros", afirmou Doria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.