Governo de SP critica Cade e bancada do PT quer CPI

O governo do Estado atacou ontem o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), ligado ao Ministério da Justiça, após reportagem do jornal Folha de S.Paulo afirmar que a Siemens revelou ao órgão a conivência de agentes do Estado para a atuação do cartel. O secretário-chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, comparou o Cade a uma "polícia política". "O que nós temos visto, continuamente, é um processo de vazamento seletivo, o que na nossa forma de ver é absolutamente inacreditável. O Cade utiliza um acordo de leniência para não divulgar (ao governo do Estado) os documentos (que fazem parte da investigação)", disse.

O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2013 | 02h01

O governo reclama de ter solicitado, desde que o processo veio à tona, em 4 de julho, os detalhes da investigação, sem resposta, e afirmou que acionará judicialmente o órgão para ter acesso aos detalhes.

À noite, as acusações foram endossadas pelo ex-governador José Serra (PSDB). Por meio de nota oficial, afirmou que seu governo (2007-2010) não tomou conhecimento de qualquer cartel "e muito menos deu aval a qualquer coisa nesse sentido". "É imperativo que sejam feitas as apurações de maneira profissional e séria. E sejam divulgadas integralmente as denúncias em poder do Cade."

O conselho respondeu, também por meio de nota, informando que "repudia qualquer acusação de instrumentalização política das investigações conduzidas" e diz que o caso corre em segredo de justiça - por isso, as informações não podem ser repassadas ao governo de São Paulo. A nota diz, porém, que tiveram acesso ao acordo de leniência e aos documentos os órgãos que assinaram o acordo: o Cade, o Ministério Público do Estado de São Paulo e o Ministério Público Federal. O corregedor-geral da Administração do Estado, Gustavo Ungaro, reclamou ontem que o Ministério Público também não tinha acesso às informações.

CPI. A bancada do PT na Assembleia recolhe assinaturas para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar eventual ação de agentes do Estado no processo. / B.R., M.G. e GUILHERME WALTENBERG

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.