Governo de SP acusa 'Folha' de plágio em entrevista

Na entrevista, especialista teria dito que a crise da água em SP só acabaria com a gestão correta dos recursos hídricos

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2016 | 22h46

O governo de São Paulo acusou nesta quarta-feira, 6, o jornal Folha de S.Paulo de fraude e plágio em uma entrevista com a diretora da Divisão da Ciência da Água da Unesco, a mexicana Blanca Jiménez, publicada no dia 26 de março. Na entrevista, a especialista teria dito que a crise da água em São Paulo só acabaria com a gestão correta dos recursos hídricos.

"Após nove dias de rigorosa apuração pelo governo do Estado de São Paulo, constatamos haver fortes indícios de falsidade ideológica, falsidade material e plágio em entrevista concedida por Blanca Jiménez, especialista da ONU e secretária do Programa Hidrológico Internacional da Unesco, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo em 26 de março de 2016", afirma a Subsecretaria de Comunicação em nota enviada à imprensa nesta quarta-feira.

Segundo o governo Geraldo Alckmin (PSDB), o texto publicado pela Folha de S.Paulo "copiou diversos trechos" de uma entrevista concedida por Jiménez ao Estado e publicada no portal do Estadão na noite de 3 de novembro de 2014 e na versão imprensa no dia seguinte. "E o mais grave: também foram inseridas na entrevista frases nunca ditas pela entrevistada, assim como referências nunca feitas por ela à gestão hídrica do governo do Estado de São Paulo. Frases ainda foram plagiadas fora do contexto, tornando suas observações incompreensíveis ou tecnicamente equivocadas", acusa o governo paulista.

Em reportagem publicada na noite desta quarta-feira, a Folha de S.Paulo admite que "partes da entrevista" com Blanca "não constavam das respostas dadas originalmente por ela" e que "há trechos plagiados e frases reformuladas ou tiradas de contexto". Segundo a Folha, o jornalista responsável pela entrevista, Robson Rodrigues, era colaborador eventual e não irá mais trabalhar para o veículo.

Ainda de acordo com a Folha, Blanca afirmou que em nenhum momento tratou sobre o caso específico de São Paulo. "A entrevista publicada atribui erradamente a mim partes significativas que não refletem minha posição e não são de minha autoria", disse ela ao jornal.

Já Rodrigues disse ao veículo que não "inventou nem copiou nada" e que seu erro foi ter unido duas entrevistas - uma exclusiva e outra coletiva, que a especialista teria dado a ele e a outros veículos de imprensa em um evento em setembro de 2015 no Paraná. "Assumo a responsabilidade por tudo o que escrevi na entrevista", afirmou o jornalista à Folha.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.