Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Governo de São Paulo anuncia retomada das obras da Linha 6-Laranja do Metrô

Anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB) em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 5, no Palácio dos Bandeirantes. As obras, que estavam paradas desde 2016, recomeçarão nesta terça-feira, 6

Paloma Cotes, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 13h19

O governo de São Paulo anunciou a retomada das obras da Linha 6-Laranja do Metrô. De acordo com o governador João Doria (PSDB), as obras serão retomadas a partir desta terça-feira, 6. Segundo Doria, as obras estavam paradas desde 2016 e a previsão de entrega completa é de cinco anos. 

"Retomamos a partir de amanhã (terça-feira) as obras da Linha 6-Laranja, que estavam paradas desde 2016. As obras recomeçam com investimento de R$ 15 bilhões. A previsão de entrega completa é de cinco anos a partir de amanhã. Essa é a maior parceria público-privada em desenvolvimento na América Latina", afirmou Doria.

A linha é composta por 15 estações e tem mais mais 15 quilômetros de extensão, ligando a zona norte ao centro (Brasilândia a São Joaquim). O projeto inclui 15 novas estações e contará com integração para outras quatro linhas, do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

"Essa linha vai passar pelas principais universidades de São Paulo. E, quando estiver concluída, vai transportar 630 mil passageiros. Lembrando que estamos na pandemia e São Paulo dá uma demonstração de apoio às obras e iniciativas de infraestrutura", disse o governador. 

A construção e a operação da Linha 6-Laranja serão feitas pelo grupo espanhol Acciona, que adquiriu o direito do consórcio Move São Paulo. A concessão inclui ainda a aquisição de toda a frota, que deverá ter 22 trens, e prevê 19 anos para manutenção e operação. 

O consório Move São Paulo, que venceu a licitação para construir e operar a linha, no fim de 2013, era formado pelas construtoras Odebrecht, Queiroz Galvão, UTC Engenharia e por um fundo de investimentos. Em  setembro de 2016, sem recursos em caixa e sem linhas de crédito após a Operação Lava Jato, as empresas desistiram da obra, que ficou parada. Desde então, os governos Geraldo Alckmin (PSDB), Márcio França (PSB) e João Doria (PSDB) não haviam encontrado uma forma de a obra ser retomada.

A concessão previa que o Estado ficaria responsável por bancar todas as desapropriações necessárias para a construção dos 15,3 quilômetros de trilhos, a um custo, em valores de 2013, de R$ 5,3 bilhões. À parceira privada, caberia executar a obra, adquirir trens e todos os equipamentos para a operação das composições e estações e, depois da inauguração, operar a linha. 

No ano passado, Doria e o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, se aproximaram do grupo espanhol Acciona. Eles buscavam uma solução que evitasse a necessidade de realização de uma nova licitação para a linha. A saída anunciada foi com os europeus comprando os direitos da Move São Paulo. 

A linha abrange as seguintes estações: São Joaquim, Bela Vista, 14 Bis, Higienópolis-Mackenzie, Angélica-Pacaembu, PUC-Cardoso de Almeida, Perdizes, Sesc Pompeia, Água Branca, Santa Marina, Freguesia do Ó, João Paulo I, Itaberaba, Vila Cardoso e Brasilândia. Todas as áreas que precisavam ser desapropriadas para a construção dessas estações estavam desapropriadas desde 2014 e, depois que as obras foram paralisadas, ficaram vazias, o que causava queixa entre os moradores do entorno dos canteiros desocupados

Com o novo prazo de cinco anos para a conclusão, em 2025, a obra terá um atraso de nove anos: a promessa original feita no governo Alckmin era que o ramal ficasse pronto em 2016. Do ponto de vista de planejamento, segundo o Metrô, a linha tem a vantagem de aumentar as opções de conexão no centro expandido da capital e também facilita o acesso das Linhas 7-Rubi e 8-Diamante da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A previsão é que o novo ramal seja usado por 670 mil pessoas todos os dias. 

De acordo com o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, todas as desapropriações já foram feitas e o governo desistiu de ações judiciais que poderiam atrasar mais o cronograma da obra./COLABOROU BRUNO RIBEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.