Governo de São Paulo anuncia recuperação de quartel da PM

Projeto de recuperação será realizado conjuntamente pelas Secretarias de Segurança Pública e da Cultura

estadão.com.br,

18 de janeiro de 2012 | 16h31

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta quarta-feira, 18, o projeto de recuperação do Quartel do Parque Dom Pedro II, na região central da capital paulista. O local será transformado em um complexo cultural com cerca de 15 mil m², abrigando o Museu Histórico da Polícia Militar e uma Fábrica de Cultura.

O projeto de recuperação do Quartel será realizado conjuntamente pelas Secretarias de Segurança Pública - proprietária do imóvel - e da Cultura, responsável por orientar e acompanhar a elaboração dos projetos e a implantação do museu e da Fábrica de Cultura.

Além do Museu Catavento, que já funciona na região, o governo está construindo o Museu de História de São Paulo na antiga Casa das Retortas. Os três empreendimentos somam quase 70 mil m².

A expectativa é realizar a licitação da etapa de obras de restauro e adequação dos espaços, prevista para durar dezoito meses, com prazo de conclusão indicado para setembro de 2014. O governo estima investir R$ 49 milhões considerando projetos, obra de restauro e implantação do museu e da Fábrica de Cultura.

A primeira planta do terreno data de 1765. Ao longo das décadas, o edifício principal ganhou novos corpos laterais para permitir os novos usos que foram dados à construção: Convento das Irmãs Duarte (1852), Seminário de Educandos (1860), Seminário de Educandas (1861) e Hospício dos Alienados (entre 1862 e 1905), no qual morreu o poeta Paulo Eiró (1871).

A partir de 1905, a edificação foi adaptada para receber o quartel e o almoxarifado da Força Pública. Pertenceu, então, ao Exército e abrigou o 2º Batalhão de Guardas até 1992, quando foi transferido para a Polícia Militar de São Paulo.

Tombado pelo Condephaat desde 1981, o espaço agora ganha função cultural ao sediar o Museu Histórico da Polícia Militar, com documentos, veículos e objetos históricos, além de recursos interativos que apresentam a trajetória da corporação no Estado para garantir a defesa da vida, da integridade física e da dignidade da pessoa humana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.