Governo aumenta prazo para motoboy fazer curso de capacitação

Motoqueiros reclamaram que não tiveram tempo suficiente para passar pelo programa

Caio do Valle - Jornal da Tarde,

02 Agosto 2012 | 20h03

SÃO PAULO - O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) decidiu nesta quinta-feira, 2, prorrogar para fevereiro de 2013 o prazo para que os motofretistas e mototaxistas façam o curso de capacitação, que se tornou obrigatório no País. Inicialmente, as multas para quem desrespeitasse a nova regra seriam aplicadas a partir do sábado, 4, o que gerou protesto da categoria. Os motoqueiros reclamaram que não tiveram tempo suficiente para passar pelo programa. Além disso, o Contran informou que as autoescolas também poderão oferecer a atividade, antes restrita a órgãos como o Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

As medidas, que serão publicadas amanhã no Diário Oficial da União, tornam mais fácil a profissionalização dos motoboys principalmente em cidades com uma frota muito grande, como São Paulo. Na capital, existem, de acordo com o sindicato da categoria, aproximadamente 200 mil motoboys. Apenas 4,5 mil, no entanto, já conseguiram fazer a capacitação.

De acordo com o Ministério das Cidades, ao qual se subordina o Contran, "como a maioria dos condutores ainda não conseguiu se adequar às novas regras, os conselheiros resolveram prorrogar a data de fiscalização". O órgão também resolveu ampliar o número de entidades aptas a oferecer os cursos. Até agora, apenas os Detrans, o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) estavam credenciados para a tarefa. Mas, daqui para a frente, os centros de formação de condutores (CFCs) e até entidades de ensino poderão realizar a capacitação dos motofretistas e mototaxistas.

Outra alteração diz respeito à forma com que os motoqueiros serão treinados. Agora, os cursos também poderão ser feitos à distância, "com o objetivo de facilitar o acesso dos motoristas".

Mais conteúdo sobre:
motoboymototaxi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.