Governo aumenta benefícios para PM e é alvo de protesto

No fim da tarde dessa segunda-feira, 14, a cúpula da Segurança Pública de São Paulo divulgou um pacote de benefícios para a carreira de policial militar. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), no entanto, negou que as medidas tenham relação com a atual crise.

Bruno Ribeiro e Ricardo Chapola, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2013 | 02h10

O plano, porém, não agradou às 22 entidades representantes dos policiais, que não podem ter sindicato. Elas prometem fazer um protesto hoje no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, porque esperavam aumento de até 15%, mas o pacote do governo prevê 7% de reajuste, que já havia sido divulgado.

Haverá reajuste do vale-refeição - que passa do teto de R$ 240 para R$ 581 - e, principalmente, a promoção de cerca de 21 mil soldados para a graduação de cabo - o que resulta em aumento de até 10% no salário. A categoria também terá um novo plano de carreira.

Mais conteúdo sobre:
PMPSDBPolícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.