Caio do Valle/Estadão
Caio do Valle/Estadão

Governo 'apresenta' monotrilho mesmo sem data de entrega da obra

Cartazes espalhados pelos relógios de rua de São Paulo informam que novo modal está chegando; linha está atrasada

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2014 | 15h52

SÃO PAULO - O Metrô e o governo de São Paulo estão espalhando cartazes publicitários pelos relógios de rua da capital paulista para anunciar que o primeiro monotrilho da cidade, na Linha 15-Prata, "está chegando". Isso, apesar de a empresa, que é controlada pelo Estado, não ter sequer a data confirmada para a abertura do trecho inicial da Linha 15, na Vila Prudente, na zona leste.

A entrega desse ramal foi adiada diversas vezes pela Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos ao longo do primeiro semestre de 2014. A última previsão, anunciada na semana passada pelo administrador da pasta, Jurandir Fernandes, é que a entrega ocorra no início de julho, perto da data limite (dia 4 de julho) para que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) possa participar de inaugurações de obras públicas. Depois disso, ele fica impedido pela lei eleitoral, pois será candidato à reeleição, a tomar parte desse tipo de cerimônia.

Nesta sexta-feira, 27, a reportagem encontrou seis relógios de rua com a propaganda, em vias das zona oeste e norte, como as Avenidas Paulo VI, Sumaré e Professor Celestino Bourroul. O material traz uma foto do trem com a inscrição "O monotrilho está chegando". A publicidade tem os logotipos do Metrô e do governo do Estado.

Em dezembro do ano passado, a gestão Alckmin havia prometido o trecho inicial do monotrilho funcionando em março de 2014, o que não se concretizou. Ao longo do tempo, o secretário Jurandir Fernandes alegou diferentes motivos para os sucessivos atrasos. Primeiramente, afirmou que a empresa canadense Bombardier, responsável por fabricar os trens que circularão na linha, demorava para fazer os testes. Na semana passada, no entanto, ele disse que operários grevistas da obra impediram técnicos da multinacional de realizar os testes nos veículos.

A assessoria de imprensa do Metrô foi procurada e respondeu por telefone apenas que a obra deve ficar para julho, sem informar o dia exato. Nos últimos dias, vários testes com os trens do monotrilho têm sido feitos na Linha 15, alguns com sacos de areia, para deixá-los mais pesado, simulando a lotação por passageiros.

Em obras desde 2010, o primeiro trecho do monotrilho já foi prometido para 2012 e, depois, 2013. Esse tramo terá 2,9 km de extensão e apenas duas estações: Vila Prudente, com conexão com a Linha 2-Verde do Metrô, e Oratório, num trecho elevado sobre a Avenida Professor Luís Ignácio de Anhaia Mello. A obra prevê mais 16 estações até a região de Cidade Tiradentes. Quando a linha estiver completa, com 26,6 km de extensão, terá custado R$ 6,4 bilhões aos cofres públicos. A previsão é que o trecho final da obra esteja pronto em 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.