Governo ameaça entrar na Justiça por luz na Jacu

O governo do Estado de São Paulo deu um ultimato à AES Eletropaulo: se a empresa não regularizar hoje o abastecimento de energia elétrica na Avenida Jacu-Pêssego, na zona leste da capital paulista, o caso vai parar na Justiça. A empresa Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) pretende cobrar da concessionária os R$ 2,5 milhões que gastou alugando geradores a diesel para garantir a iluminação pública.

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

16 Março 2011 | 00h00

O valor leva em conta também todos os equipamentos colocados no Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas e em partes da Marginal do Tietê. A Dersa informou que há "dezenas de pedidos" pendentes de ligações de energia elétrica para as três obras, mas não informou o prazo para a conclusão dos trabalhos da Eletropaulo no Rodoanel e na Marginal. A concessionária, por sua vez, garantiu que está "dentro do cronograma previsto".

O ultimato público foi dado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), ontem, durante a apresentação da segunda fase de obras do Complexo Jacu-Pêssego. "A iluminação, tanto da Jacu quanto do Rodoanel, já está pronta. Está tudo funcionando com gerador, por falta de ligação da Eletropaulo. Amanhã, é o último dia. Se a Eletropaulo não fizer nada, a Dersa entra na Justiça."

A segunda fase da Jacu-Pêssego deve ser entregue em setembro e custará R$ 87,5 milhões. O orçamento inicial, de R$ 102,6 milhões, foi revisado, o que permitiu economia de cerca de 15%, conforme a Dersa. A expectativa do governo estadual é de que a Jacu-Pêssego seja utilizada como alternativa ao Trecho Leste do Rodoanel, cujo contrato foi assinado quinta-feira e tem duração de três anos.

Ontem, operários começaram a trabalhar na construção de 4,5 quilômetros de uma via marginal à Jacu-Pêssego nos bairros Jardim da Vitória, Jardim Conquista e Jardim Paulistano, na zona leste, e de um retorno para a via expressa na Avenida Papa João XXIII, em Mauá.

Segurança. Após uma série de roubos e arrastões, uma companhia da Polícia Militar será instalada na Jacu-Pêssego. O governo do Estado informou ontem que cerca de 90 policiais da Força Tática do 38.° Batalhão deverão ocupar um prédio no Jardim da Conquista, zona leste da capital, dentro de 50 dias. Para hoje, moradores prometem protesto, solicitando mais patrulhamento, sobre o Viaduto São Mateus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.