GABRIELA BILÓ/ ESTADÃO
GABRIELA BILÓ/ ESTADÃO

Governo Alckmin dá prazo para retomada de obra da Linha 4

Consórcio tem até o fim do mês para voltar ritmo de trabalho no metrô; empresas dizem que entrega do projeto atrasou

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 03h00

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) deu prazo até o fim do mês para que o consórcio Isolux-Corsán-Corviam retome as obras da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo. A construção do ramal está parcialmente parada ao menos desde novembro de 2014, como mostrou o Estado. Se as obras não voltarem ao ritmo normal, os contratos de quase R$ 560 milhões do empreendimento poderão ser rescindidos. O Metrô informou que já multou a empreiteira, que nega ter sido autuada.

O imbróglio entre o governo e o consórcio se arrasta há meses e pode atrasar a entrega das futuras Estações Vila Sônia, São Paulo-Morumbi, Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie. As duas últimas são as únicas que o Metrô vinha prometendo entregar neste ano. Todas elas estão atrasadas em relação ao cronograma original das obras da Linha 4, que previa a sua abertura completa, com 11 estações, em 2009 (a construção se iniciou em 2004). Até hoje, sete paradas foram inauguradas, a última delas em outubro.

De um lado, o Metrô põe a culpa no consórcio, que não estaria conseguindo honrar o cronograma estipulado nos contratos dos dois lotes em que se divide a chamada segunda fase da construção da Linha 4-Amarela. Do outro, o consórcio Isolux-Corsán-Corviam diz que o Metrô é o responsável pelo atraso, por uma suposta demora na entrega dos projetos executivos.

Até que o impasse seja resolvido, os canteiros das futuras estações permanecem praticamente vazios. Apenas alguns funcionários da Isolux comparecem aos locais das obras, para bater o ponto. No espaço onde ficará a entrada principal da Estação Oscar Freire, um guindaste está parado. No quarteirão vizinho, a escavações iniciadas para o acesso secundário da parada viraram um estacionamento improvisado para alguns carros.

O Metrô informou, por meio de nota, que acionou o consórcio por causa da redução do número de funcionários e do ritmo das obras. O Metrô divulgou ainda que o consórcio “já recebeu do Metrô todos os projetos executivos necessários para o prosseguimento das obras”.

Mas o Isolux-Corsán-Corviam sustentou, também por meio de nota, que “atrasos na entrega e definição dos projetos executivos, por parte do Metrô”, levaram a um “desequilíbrio econômico-financeiro das obras da Linha 4”, o que fez o consórcio adotar “grandes esforços para reajustar seu fluxo de pagamentos”. 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo metrô Geraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.