Governo adota outro índice e vê redução

As mortes voltaram a subir em números absolutos, mas o governo estadual e o Comando de Policiamento Rodoviário (CPRV) resistem a descrever a situação como piora. Isso porque seguem um índice - com parâmetros internacionais - que leva em conta o tamanho da frota, a extensão da malha rodoviária e a quantidade de veículos nas estradas.

Cenário: Renato Machado, O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2011 | 00h00

"São variáveis que não podem ser desconsideradas. As comparações precisam ser iguais e com os números absolutos não é assim, porque o único dado que não muda é a quantidade de dias do ano", diz a tenente Fabiana Pane, do CPRV. O último ano registrou alta de 11% no fluxo de algumas rodovias (caso da Bandeirantes) e algumas inaugurações, como a do Trecho Sul do Rodoanel. O índice que leva em conta esses fatores aponta uma redução de 9,9% nas mortes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.