Alckmin volta a defender ações da PM em protestos

Governador de São Paulo disse que manifestações são legítimas, mas não podem interferir no direito de ir e vir da população

Sandro Villar, Especial para O Estado

22 Janeiro 2016 | 20h19

O governador Geraldo Alckmin voltou a defender, na tarde desta sexta-feira, 22, as ações da Polícia Militar, incluindo o uso de balas de borracha, durante as manifestações. "A polícia está agindo de maneira correta e legítima. Não é possível interromper avenidas, não é possível tirar o direito de ir e vir das pessoas", justificou, ao inaugurar obras em Pedrinhas Paulista, no interior do Estado. 

Segundo Alckmin, a restrição do trajeto na manifestação de quinta-feira, 21, e que resultou no conflito entre policiais e manifestantes, foi necessária para evitar o encontro com integrantes de outro ato - um protesto de motorista de vans escolares saiu da Praça Charles Miller e seguiu até a sede da prefeitura de São Paulo, na região central da cidade.

Ensino. A reorganização no ensino também foi comentada pelo governador. Ele confirmou que não abre mão da medida. "Não se pode ter criança de seis anos com adolescente na sala de aula", avisou.

Os alunos mais novos podem ser hostilizados, segundo o tucano. "A criança pode sofrer agressão ou bullying", contou.

Obras. Além de Pedrinhas Paulista, onde entregou o prolongamento de uma avenida e o recapeamento de um conjunto habitacional, o governador também inaugurou obras em Santo Anastácio, Caiabu e Ipaussu.

Entre as obras estão 102 casas populares entregues a famílias de Santo Anastácio. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.