Governador do Rio pede apoio à Marinha em entrevista à TV

Sérgio Cabral também garantiu que a política de retomada de território irá continuar

24 Novembro 2010 | 21h57

Para tentar conter a onda violência que assola o estado do Rio de Janeiro desde o último domingo, 21, o governador do Estado, Sérgio Cabral Filho, pediu apoio à Marinha. Em entrevista ao Jornal Nacional desta quarta-feira, 24, o governador destacou que recebeu um comunicado do ministro da Defesa, Nelson Jobim, garantindo suporte logístico.

 

Veja também:

linkQuatro inocentes morrem e 11 ficam feridos em tiroteios no Rio

linkDesde domingo, 22 suspeitos morreram em confronto

linkJustiça autoriza transferência de presos do Rio

link Turismo teme prejuízos por causa da violência

especial'Só UPP não vai resolver o problema de segurança'

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

mais imagens Caixa coloca Esquadrão Antibomba em ação

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

 

"Nós estamos permanentemente em contato com o presidente Lula, que já falou comigo por duas vezes, com o ministro da Justiça, que por inúmeras vezes já falou comigo, e nós estamos com o reforço da Polícia Rodoviária Federal, com este apoio estratégico do envio de presos para presídios de segurança máxima. E, nós acabamos de solicitar ao ministro Nelson Jobim e ao almirante Julio, comandante da Marinha brasileira, o apoio logísticos com transporte, com viaturas, com equipamento, importantíssimos para o combate a estes criminosos, sobretudo em algumas regiões do subúrbio."

 

Ainda de acordo com o governador, este apoio da Marinha será apenas logístico, a instituição não irá fornecer homens para combater a violência que atinge o Estado. Sérgio Cabral garantiu que esta onda é um ato de desespero dos criminosos e que será mantida a política de retomada de territórios.

 

O governador também anunciou que no próximo dia 30 irá instalar mais uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte do Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.