Golpe em conta de energia

AES ELETROPAULO

O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2012 | 03h02

Morei de aluguel até setembro de 2011. Por inocência, atendi à solicitação da proprietária e não pedi o desligamento de energia à AES Eletropaulo, pois ela me garantiu que faria a transferência do nome do titular, o que não ocorreu. Uma atendente da Eletropaulo disse que 4 contas não foram pagas e, para não ficar sem energia, a dona da casa ligou para Eletropaulo e fez um acordo se passando por mim. Depois do acordo, ela ainda atrasou duas parcelas. Só descobri tudo isso porque soube que o meu nome estava no SPC. Procurei a proprietária da casa e ela disse que não tinha dinheiro para pagar as contas. Num posto da Eletropaulo fui orientada a cancelar a negociação anterior, fazer outra e pagar a 1.ª parcela para que o meu nome fosse tirado do SPC. Também disseram para eu solicitar o desligamento da energia. Paguei para tirar o meu nome dos órgãos de proteção ao crédito, mas não acho justo pagar por essa conta e também acho errado a Eletropaulo negociar por telefone.

INDIANA JESUS DE SOUZA / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que é dever do cliente solicitar o encerramento contratual pela instalação. Mas, neste caso, a negociação em nome da cliente foi cancelada e foi gerado um crédito de R$ 259,55 sobre o valor da parcela paga. A cliente poderá receber o ressarcimento numa das lojas de atendimento da concessionária, com apresentação dos seus documentos e o comprovante de pagamento.

A leitora questiona: Uma parte do problema foi solucionada. Porém, a concessionária não me respondeu se vai transferir o restante da dívida para a proprietária ou terei de quitá-la para, depois, ser ressarcida.

CARCAÇAS DE VEÍCULOS

Continuam no mesmo lugar

No dia 11 de abril cadastrei três reclamações no site da Prefeitura referentes a sucatas de veículos abandonadas próximo à minha residência. Algumas estão sobre a calçada, impossibilitando a passagem de pedestres, e o pior de tudo é que estão servindo de abrigo para usuários e vendedores de drogas. Há duas sucatas na Rua Elias Pereira, na altura do n.º 228, e, nas esquinas das Ruas David Alan com a Jordão Camargo de Oliveira, há 3 sobre a calçada.

HENRIQUE RODRIGO DA SILVA

/ SÃO PAULO

A Subprefeitura Jaçanã vistoriou o local e constatou que as carcaças dos veículos citados pertencem, na verdade, à oficina mecânica que fica no local, e eles não se encontravam na calçada no momento da vistoria. Considerando que a oficina se encontra irregular com relação à licença de funcionamento, foi iniciada ação fiscal para a sua regularização, sob pena de multas e até seu fechamento. A subprefeitura acredita que, nas próximas semanas, o problema deva estar solucionado.

O leitor lamenta: Os veículos encontram-se no mesmo lugar. A subprefeitura enviou fiscais para fazer a vistoria e eles só colaram uma advertência nos carros informando que, se não fossem retirados em 5 dias, poderiam ser multados em R$ 12 mil e, posteriormente, guinchados. Já se passaram mais de 20 dias e nada mudou.

INSS

Seis anos para revisão

Em 2000 me aposentei por tempo de serviço. Passados seis anos me dei conta de que o INSS não havia considerado o tempo integral da minha contribuição e pedi revisão, que foi protocolada em Brasília e enviada a São Paulo. Desde de junho de 2008 tenho enviado uma carta por ano para a Ouvidoria do INSS solicitando informações sobre o caso, uma vez que não posso entrar com solicitação judicial (enquanto não houver um indeferimento formal daquele órgão, por acordo entre o INSS e o Poder Judiciário). A resposta-padrão é: "Os casos mais complexos demandam dilatação do prazo (...), encontra-se em tramitação". Estive pessoalmente em dezembro no posto do INSS, mas ninguém soube passar alguma informação. O documento de acompanhamento pela internet mostra que a análise foi concluída em 2009, porém até hoje nada me foi informado. Entendo ter o direito de usufruir da minha aposentadoria corretamente calculada, uma vez que paguei contribuição por quase 30 anos.

WALKYRIA TAMBALO / VINHEDO

A Agência da Previdência Social - São Paulo Centro informa estar providenciando a revisão do tempo de contribuição da aposentadoria da segurada. Para isso, solicitou que a Agência da Previdência Social em Brasília envie o processo da revisão. A sra. Walkyria foi informada desses procedimentos.

A leitora confirma: O problema foi solucionado. Agradeço a intervenção que pôs fim a uma saga de seis anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.