Goleiro foi indiciado após tentativa de forçar aborto

Em novembro do ano passado, o goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, de 25 anos, foi indiciado por tentativa de aborto, ameaça, cárcere privado e lesão corporal contra Eliza Samudio. Em depoimento à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) de Jacarepaguá, em outubro, Eliza disse que Bruno a obrigou, sob agressões, a tomar dez comprimidos de um remédio abortivo, para que ela não levasse a gravidez adiante.

Gabriela Moreira, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2010 | 00h00

No dia 27 de maio, o Ministério Público devolveu o inquérito à Deam, pedindo mais informações, entre elas, o resultado do exame toxicológico que mostraria se Eliza foi, como denunciou, dopada por Bruno.

O material para o exame foi colhido em outubro do ano passado, mas somente ontem o Instituto Médico-Legal (IML) começou a análise.

A previsão é que o resultado seja conhecido até amanhã. Além do exame toxicológico, Eliza se submeteu a exame que comprovou as agressões.

Procurado pelo Estado, o advogado de Bruno, Michel Assef Filho, não respondeu aos recados deixados em seu escritório.

Para a delegada Silvana Vilhena Braga, mesmo sem o resultado do exame, os depoimentos prestados por Eliza, pelo próprio jogador e por amigos do casal foram suficientes para o indiciamento de Bruno, de acordo com a Lei Maria da Penha, que trata de violência doméstica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.