Gol pede que passageiros adiem viagem até segunda-feira

Junto com a Varig, empresa suspende venda de passagens em Cumbica; BRA transfere vôos para Guarulhos

26 de julho de 2007 | 03h01

A Gol, divulgou na tarde de quarta-feira, 25, um comunicado pedindo aos seus passageiros que adiassem a viagem até a segunda-feira, 30. Além disso, junto com a Varig, suspendeu a venda de passagens em Cumbica na noite de quarta-feira. Segundo a nota, a empresa "espera que seja restabelecido o fluxo normal do tráfego aéreo. A Gol manterá os serviços para atender os clientes que necessitem viajar imediatamente e para levar a seus destinos aqueles que ficaram retidos nos últimos dias". A empresa também vai começar a implantar, a partir de segunda-feira, uma nova malha de vôos. "Essa reorganização implica transferência de parte dos vôos que tradicionalmente operam em Congonhas para o aeroporto de Guarulhos. A relação desses vôos estará disponível no site www.voegol.com.br, de acordo com a nota. Outra companhia que atua no terminal de Congonhas, a empresa BRA, decidiu transferir todos seus vôos para o aeroporto de Cumbica. A empresa divulgou uma nota explicando que "até o dia 30 de julho e em caráter provisório, para o conforto dos passageiros e a fim de evitar atrasos, a BRA transfere seus vôos do Aeroporto de Congonhas para o Aeroporto de Guarulhos (tanto embarque quanto desembarque)", com exceção dos vôos com trecho entre Congonhas/Ipatinga e Ipatinga/Congonhas, que continuarão operando normalmente em Congonhas. Suspensão de venda Na noite de quarta-feira, a Gol e a Varig decidiram não vender passagens em Cumbica. Ao chegar ao guichê, os passageiros escutavam da atendente: "Sinto muito, mas não estamos vendendo passagens." Desde as 17h40 de terça-feira, a companhia não vende bilhetes que tenham São Paulo como partida ou destino. Segundo as empresas, a prioridade era resolver o problema de quem estava em Cumbica havia mais de um dia sem conseguir embarcar. A Gol e a Varig chegaram a vender passagens em Cumbica, na quarta-feira, mas cerca de 70% dos vôos estavam lotados. No início da noite, porém, as duas companhias decidiram não vender mais passagens no aeroporto até sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.