Gilberto Kassab nega ter recebido doações da AIB

Prefeito disse que o partido dele, o DEM, recebeu dinheiro, mas não sabe onde foi aplicado

Carolina Freitas, Agência Estado

21 de outubro de 2009 | 13h43

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), disse nesta quarta-feira, 21, não ter recebido doações da Associação Imobiliária Brasileira (AIB) durante sua campanha eleitoral para a reeleição em 2008. Kassab afirmou que os repasses foram feitos a seu partido, o Democratas (DEM), e alegou desconhecer o destino que a legenda deu ao dinheiro. "O partido teve (doações da AIB), eu não. São coisas distintas", afirmou.

 

Veja também:

linkPara mostrar 'trabalho', Câmara de SP vota projetos polêmicos

linkJuiz suspende cassação de 4 vereadores envolvidos em doações

linkJustiça cassa 13 dos 55 vereadores de São Paulo

linkOpinão: Cassação dos vereadores

especial Conheça os vereadores cassados

 

A Justiça Eleitoral cassou 13 vereadores e um suplente da capital paulista por terem recebido doações ilegais da associação. Três parlamentares entraram com recurso contra a decisão e conseguiram na Justiça a suspensão da cassação até que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) julgue os pedidos. O prefeito evitou comentar os recursos, mas reiterou que considera as doações "legais".

 

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MP), a AIB era uma entidade de fachada criada pelo mercado imobiliário para financiar campanhas políticas. A associação distribuiu nas eleições do ano passado R$ 10,6 milhões a candidatos, comitês e diretórios de diversos partidos.

 

Como a Lei Eleitoral (9.504/97) limita a doação das entidades a 2% de sua receita no ano anterior, a AIB teria de ter arrecadado no mínimo R$ 325 milhões em 2007, se for levado em consideração os valores doados em 2008. Segundo o MP, a entidade não mostrou ter essa capacidade financeira.

Tudo o que sabemos sobre:
vereadoresABIKassabCâmaraSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.