Valéria Gonçalvez/AE
Valéria Gonçalvez/AE

Gil Rugai consegue habeas no STF horas depois de ser preso

Ex-seminarista e estudante de publicidade é acusado de matar o pai e a madrasta em 2004 em Perdizes

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

25 de agosto de 2009 | 12h49

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que Gil Rugai deve ser solto. Rugai está preso desde a manhã desta terça-feira, 25, em São Paulo. Ele foi levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) da Vila Independência, na zona leste. Gil Rugai foi preso nesta manhã na casa da avó, em Perdizes. De lá, foi encaminhado ao Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) e depois levado ao IML.

 

Veja também:

linkEntenda o caso e relembre as acusações

 

Rugai foi preso depois que o STJ revogou, no dia 21, o habeas corpus e ordenou que ele fosse preso novamente. A decisão chegou oficialmente na segunda-feira, 24, ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que expediu mandado de prisão de Rugai. Apesar da decisão do STF, ele deve ficar preso até que o mandado seja enviado ao sistema prisional de São Paulo.

 

A decisão do STF foi assinada pelo ministro Celso de Mello. A defesa de Rugai entrou com o pedido de habeas corpus depois que o STJ revogou sua liberdade. No entanto, o teor da decisão do ministro do Supremo ainda não foi divulgado.

 

Publicitário e ex-seminarista, Gil Rugai é acusado de matar o pai, Luiz

Carlos Rugai, e a madrasta, Alessandra de Fátima Troitiño,
 em março de 2004. O corpo do casal foi encontrado um dia depois do crime, em Perdizes, na zona oeste de São Paulo. No mesmo local onde o casal morava, funcionava a produtora de vídeos do publicitário.

 

O vigia disse ter visto Gil Rugai ter saído da casa na noite do crime. Dois dias após, a polícia descobriu que a produtora havia sofrido um desfalque de R$ 100 mil. No dia seguinte, informou que o desvio havia sido dado por Gil Rugai. Depois disso, no dia 6 de abril de 2004, o publicitário se entregou para a polícia, mas alegou inocência. 

Tudo o que sabemos sobre:
Gil Rugai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.