Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Gestão Kassab registra até favela como parque

De 13 espaços inaugurados, apenas 1 funciona e está completo; outros ficam trancados ou seguem sem água, luz e segurança

Rodrigo Burgarelli e Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2011 | 00h00

Neste exato momento, traficantes estão morando em um parque municipal e uma favela inteira está sendo demolida em outro - que, oficialmente, foi inaugurado em 2009. Dois parques prontos há um ano ainda estão trancados com cadeado. Crianças jogam bola numa quadra velha e sem traves que, segundo a Prefeitura, é recém-inaugurada. E parques na periferia continuam sem água, luz e segurança meses depois de serem abertos.

 

Veja também:

link Na periferia, área de lazer fica abandonada

link Vizinhos falam de prostituição no Butantã

link Obras previstas para o primeiro semestre ainda nem começaram

blog Os cem parques ou os sem-parque?

Esse é o cenário que predomina na maioria dos parques inaugurados desde 2009, frutos da promessa de Gilberto Kassab (DEM) de deixar a cidade com 50 novos parques até 2012 - dessa forma, a capital passaria a ter 100. Para isso, a reportagem visitou os 13 que, segundo o relatório do Plano de Metas, já foram (ou deveriam ter sido) inaugurados. A constatação foi a de que apenas um foi entregue completo e em pleno funcionamento: o Parque Urbano Benemérito Brás, na Mooca. Todos os outros apresentam problemas, estão incompletos ou simplesmente estão longe de ser concluídos.

Um exemplo é o Linear Sapé, no Butantã. Ele deveria ir da Rodovia Raposo Tavares até a Avenida Escola Politécnica e foi entregue em junho de 2009. Entretanto, o local ainda é ocupado por uma favela de mais de seis quarteirões que só agora começou a ser demolida. Um funcionário da Prefeitura que estava no local confirmou que as obras fazem parte do futuro parque, ainda sem previsão de abertura.

Outro caso parecido é o do Linear Taboão, em Sapopemba. A área também era uma antiga favela que foi retirada para a construção do equipamento, inaugurado há um ano. Meses depois, porém, ex-moradores voltaram a construir barracos no mesmo lugar e o local voltou a ser uma favela, com carros estacionados em cima da grama recém-plantada e muito lixo, lama e entulho espalhados. O fotógrafo do Estado chegou até a ser ameaçado no local - segundo moradores, só é possível tirar foto ali com o aval dos traficantes.

Há também locais que mal parecem ter tido obras recentes. Esse é o caso do Linear Mongaguá, em Ermelino Matarazzo. O lugar é uma antiga praça que, segundo a Prefeitura, virou parque em dezembro. Mas poucas mudanças foram notadas pelos frequentadores - o mato está alto, os brinquedos infantis seguem quebrados, a quadra continua sem trave e a única construção nova, uma cabine da GCM, ainda está em obras. Em Capela do Socorro, na zona sul, o Parque Urbano Ganhembu também consta como inaugurado em dezembro, mas as obras continuam.

Trancados. Dois outros parques estão em melhores condições, mas ainda trancados : o Jardim Herculano, em M"Boi Mirim, e o Águas, no Itaim Paulista. Neste, crianças da região precisam pular as grades ou passar debaixo de um buraco que elas cavaram para poder utilizar as quadras de futebol.

Secretaria diz que lista será revista e meta, cumprida

Questionada, a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente afirmou que vai retificar a lista dos parques concluídos publicada no site da Agenda 2012. Segundo sua assessoria, dificuldades em licitações e desapropriações causaram "reprogramações" nos prazos. "O importante é que a meta dos cem parques até 2012 será cumprida", diz a nota.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.