Werther Santana/Estadão (25/5/2017)
Werther Santana/Estadão (25/5/2017)

Gestão Doria adotará ações de redução de danos na Cracolândia

Mudança foi explicitada pelo coordenador do programa Redenção em reunião da Subcomissão de Drogas da Câmara Municipal

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 04h00

SÃO PAULO - A gestão João Doria (PSDB) mudou o tom e admitiu que dará espaço a ações de redução de danos na Cracolândia em vez de priorizar só o modelo de abstinência. Em maio, a administração participou de ação conjunta com a polícia na região na qual defendeu a internação forçada de usuários de drogas. Desde o início do mandato, o prefeito critica o programa De Braços Abertos, de seu antecessor, Fernando Haddad (PT), que previa a oferta de moradia, trabalho remunerado e alimentação aos dependentes químicos cadastrados, mesmo que eles mantivessem o uso de drogas.

+++ Polícia prende 38 na Cracolândia e região e desmonta feira de drogas

A mudança no posicionamento foi explicitada nesta quinta-feira, 30, pelo coordenador do Redenção, programa municipal anticrack, Arthur Guerra, em reunião da Subcomissão de Drogas da Câmara Municipal de São Paulo. No evento, ele disse que é um “grave erro” que o programa tenha como base apenas ações no modelo de abstinência, como as internações em clínicas. 

+++ 'Não há possibilidade de a Cracolândia voltar', diz Doria

“Devemos ouvir os pacientes para saber o que eles querem. O programa tem como base, então, teoricamente, a abstinência, então todos devem ir para hospitalização. Isso é um grave erro. Vários pacientes não querem ficar em abstinência, ou não conseguem ficar. Vamos ter, sim, de usar outro modelo: redução de danos”, declarou.

+++ Polícia faz nova ação na Cracolândia, prende traficantes, mas fluxo retorna a praça

A decisão ocorre após uma série de críticas do Ministério Público Estadual, entidades de saúde e outras instituições às primeiras ações do programa anticrack de Doria.

Questionada sobre a mudança de tom, a Prefeitura informou, em nota, que “não há contradição entre o que afirmou Guerra e o que vem sendo praticado no âmbito do referido programa”. A administração diz que “sempre deixou claro não perceber oposição entre as políticas de redução de danos e promoção de abstinência”.

Afirmou ainda que já adota tal modelo em unidades de assistência social que oferecem serviços aos usuários de drogas sem exigir abstinência.

Segundo a nota, o que é rejeitado pela atual gestão é a prática adotada pelo programa De Braços Abertos de dar dinheiro aos usuários. “Essa política mostrou-se um equívoco, que levou ao crescimento do número de consumidores de drogas na região da Luz”, disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.