Gestante não pôde viajar

TAM - FUNCIONÁRIOS DESINFORMADOS

O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2012 | 02h06

Reprovo o serviço da TAM no aeroporto de Londrina. Em 20/10, minha mulher, gestante, ao fazer o check-in, solicitou um assento na frente e apresentou o atestado médico. A atendente ficou em dúvida, pegou o atestado, perguntou a outro funcionário se ela poderia viajar e veio com a resposta positiva. Os bilhetes foram emitidos e a atendente foi tirar uma cópia do atestado. No entanto, ao retornar, disse que minha mulher não poderia viajar, pois o atestado deveria conter informações sobre o tempo máximo de voo e a data prevista para o parto. Segundo o supervisor, era preciso pegar outro atestado, trocar o bilhete e arcar com os custos. Pedi para assinar um documento assumindo total responsabilidade pelo risco, mas não aceitaram. Dica para a TAM: no ato da compra da passagem, pergunte se há gestantes e informe o modelo de atestado exigido. Não permita a compra para depois frustrar a viagem!JOÃO BATISTA DE SOUZA / LONDRINA

A TAM esclarece que, para o embarque de gestantes acima de 28 semanas, é obrigatória a apresentação de relatório médico constando a origem, o destino, as datas de saída e chegada dos voos, a comprovação de que a gestante foi examinada por obstetra e de que está clinicamente em condições de viajar de avião e a estimativa da data do parto. Os procedimentos seguem normas internas e da Anac.

O leitor reclama: A troca da passagem me custou R$ 1.130! No voo de volta, a atendente pegou o atestado e disse que faltavam informações sobre cabine pressurizada e o número do voo. Como o documento que serviu na ida foi negado na volta?

SERVIÇOS DA NET

Queda de sinal é frequente

É impressionante a atual má qualidade dos serviços da NET. Sou assinante de longa data e posso afirmar que, desde sempre, é só cair uma chuvinha de nada na minha região para o sinal simplesmente sumir, tanto da TV a cabo como da internet e do telefone. Só na semana passada isso ocorreu ao menos três vezes. Trabalho em casa e tenho tido prejuízos, pois o sinal cai cada vez com mais frequência - às vezes acho que estou na conexão discada, nos anos 90! Portanto, o mínimo que podem fazer é dar um desconto proporcional pelo tempo que passei sem conexão ou sinal. Tenho certeza de que a NET tem os registros de quando isso aconteceu e quero acreditar que será honesta no que se refere ao desconto proporcional. Para uma empresa que investe tanto em publicidade e parece tão preocupada em adquirir novos clientes, a ela faria muito melhor se atendesse direito os assinantes que já tem, antes que comece a perdê-los.

LUIZ ALEXANDRE BORBA LEITE DE MORAES / SÃO PAULO

A NET informa que o serviço está normalizado.

O leitor comenta: Agora é ver se a qualidade do serviço não oscila tanto.

VIVO LESA CLIENTE

Venda casada?

Em julho a Vivo TV (ex-TVA) entrou em contato comigo dizendo que eu passaria a ter Speedy de 10 mega, telefone ilimitado e TV por assinatura. Respondi que não tinha interesse em canais pagos, mas disseram que, para aumentar a velocidade do Speedy, eu tinha de optar por um "pacote" e que, daquela data em diante, não teria outro modo de ter telefone e banda larga. Prometeram desconto nos primeiros meses e um valor fixo, até julho de 2013, de R$ 129,90. Pois bem. A fatura com vencimento em 1.º/10 veio com a cobrança de R$ 189,80, sendo R$ 129,90 de TV e R$ 59,90 de Speedy. Achei estranho e paguei deduzindo os R$ 59,90. Fui até uma loja da Vivo, mas disseram que eu deveria resolver o problema por telefone ou me dirigir até a Vila Leopoldina. Creio que, dessa forma, o cliente desiste de reclamar. Fiz várias ligações para o 10666 e todas caíram. Outra queixa: haviam dito que o telefone fixo fazia parte do "pacote", mas a conta separada está chegando todos os meses. Conclusão: se eu for pagar tudo o que estão me cobrando, gastarei o triplo de antes.

ODILON DA SILVA ROCHA

/ SÃO PAULO

As equipes da Vivo TV e do Vivo Speedy informam que a questão foi solucionada com o leitor. A

Telefônica/Vivo informa que todas as providências foram tomadas para evitar reincidência.

O leitor informa: A fatura deste mês veio com um valor menor e a conta de telefone também baixou. Pergunto: se agora podem "fazer" a assinatura da TV por R$ 79,90, por que quiseram me cobrar R$ 129,90?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.