Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Gerente mata ex-mulher a tiros em Piracicaba e se suicida

Ataque aconteceu em uma loja de pneus da cidade. Vítima tinha medida protetiva que impedia aproximação e comunicação. Caso foi registrado como feminicídio seguido de suicídio

José Maria Tomazela   , O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2019 | 20h35

SOROCABA – O gerente Marcos Alves, de 49 anos, matou a tiros a ex-mulher Adriele Francine Dezzotti, de 33, no interior de uma loja de pneus, nesta segunda-feira, 9, em Piracicaba, interior de São Paulo. Após atingir a vítima três vezes, ele atirou contra seu próprio peito. Os dois morreram no local. Conforme a investigação, o gerente não se conformava com a separação. Ela tinha uma medida protetiva contra o agressor desde outubro deste ano. O caso foi registrado como feminicídio seguido de suicídio.

De acordo com a Polícia Civil, o casal viveu uma união estável por sete anos, mas estava separado havia quatro meses. Adriele foi seguida pelo ex quando levava o carro para verificar um barulho nos pneus. O gerente abordou a mulher no interior da loja e pediu que ela saísse para que conversassem do lado de fora. Como ela se negou a sair, Alves sacou a arma e fez os disparos ali mesmo. Um dos tiros atingiu o rosto de Adriele. Funcionários acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a equipe constatou os óbitos.  

A delegada Olívia Fonseca, que está à frente da investigação, informou que, por causa de ameaças anteriores, Adriele tinha conseguido uma medida protetiva que impedia Alves de se comunicar com ela por qualquer meio e o obrigava a manter distância mínima de 200 metros. Segundo relatos de testemunhas, quando percebeu que o ex estava armado, a mulher pediu socorro. Os funcionários tentaram intervir, mas Alves apontou a arma também para eles.  

Os corpos foram levados para perícia, no Instituto Médico Legal (IML). O corpo de Adriele será enterrado nesta terça-feira, 10, no Cemitério Municipal da Saudade, em Piracicaba. Não havia informação sobre o sepultamento de Alves. A família do gerente foi procurada, mas a reportagem não obteve resposta.

Tudo o que sabemos sobre:
Piracicaba [SP]feminicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.