Geladeira de escolinha cai sobre menino no interior de SP

Garoto, que teve traumatismo craniano, está internado; Polícia Civil aguarda laudo para continuar investigações

Brás Henrique, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2008 | 17h19

Um menino de um ano e sete meses, de Bebedouro, está internado no Hospital e Maternidade Sinhá Junqueira, em Ribeirão Preto, com traumatismo cranioencefálico, após uma geladeira duplex cair sobre sua cabeça, na tarde de terça-feira, 9, quando ele estava na escolinha. Ele respira com o auxílio de aparelhos. Para investigar o caso, a Polícia Civil aguarda o laudo da perícia do Instituto de Criminalística (IC), que deverá ficar pronto em dez dias. O Conselho Tutelar acompanha o caso. Os pais estão abalados e o Instituto Nova Geração alega que foi uma "fatalidade" e que presta toda a assistência hospitalar ao menino e auxilia a sua família. O boletim médico do hospital, divulgado às 16 horas desta quinta-feira, 11, informou que o garoto "continua em estado muito grave, apresentando alterações importantes nas funções vitais e hemodinâmicas". O texto conclui: "(Ele) Permanece respirando com ajuda de aparelhos e está sendo monitorado continuamente pela equipe da UTI." O delegado seccional de Bebedouro, José Eduardo Vasconcelos, disse que o caso é "estranho" e que a polícia só terá condições de investigar a partir do laudo do IC. Não houve abertura de inquérito policial. Apenas um boletim de ocorrência, por lesão corporal culposa (sem intenção), foi feito. O caso ficará com o delegado Carlos Alberto Lopes Martins, do 1.º DP. A presidente do Conselho Tutelar de Bebedouro, Jalili Carlo Magno, disse que todos "estão curiosos", pois a geladeira duplex está em ótimo estado. O menino sofreu um corte de cerca de dez centímetros na cabeça e uma lesão na nuca. Segundo informações recebidas por Jalili, o incidente ocorreu na tarde de terça-feira, quando a criança ia para o banho. A geladeira, de cerca de 100 quilos, que fica na copa do berçário teria tombado e lançado o menino mais adiante. Assim, o menino bateu a cabeça no chão e ainda sofreu a pressão do peso da geladeira na queda. "Foi uma fatalidade, mas a escola, que está legalmente documentada, está bancando a assistência hospital da criança e também as despesas da família com hospedagem num flat", disse o advogado André Luiz Pipino, que defende o Instituto Nova Geração. A escola é particular, funciona há cinco anos e atende do berçário à quarta série. Devido ao incidente, as aulas foram suspensas na quarta-feira e retomadas nesta quinta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.