GCM veta palavras 'limpar' e 'espalhar' durante operação

Sem jargões e politicamente correta. Assim deve ser a conduta dos guardas-civis metropolitanos na Operação Centro Legal, segundo uma nota de instrução distribuída pela Prefeitura. Palavras como "limpar" e "espalhar" estão proibidas. O guia do GCM prega termos como "resgatar pessoas", "dignidade", "reinserção social", e "zeladoria". "Cracolândia" vira "Nova Luz".

O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2012 | 03h04

"São procedimentos operacionais padrão que existem para orientar os guardas. Na Favela do Moinho, por exemplo, houve um incêndio e uma implosão, e cada momento exigiu uma forma diferente", diz o inspetor Sidnei Pureza, comandante da região central da capital paulista.

Segundo o presidente do Sindicato dos Guardas-Civis Metropolitanos da Cidade de São Paulo (Sindguardas), Carlos Augusto Souza Silva, o manual tenta esconder a realidade. "O que eles querem é evitar que o guardas falem que a ação na área central é higienista." Silva também critica a função destinada aos GCMs na cracolândia. "Os guardas têm de se preocupar em prender traficantes e usuários, mas quem faz isso é a polícia. Nossa função é proteger agentes da Prefeitura."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.