Gasto com semáforo será 5 vezes maior

O gasto com modernização de semáforos na cidade de São Paulo devem ser cinco vezes maior que o previsto pela Prefeitura. O prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou ontem que serão necessários R$ 500 milhões para integrar os aparelhos instalados em 3 mil cruzamentos à central de monitoramento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), além de adaptá-los à chuva. Em fevereiro, ele havia dito que abriria licitação de R$ 100 milhões para substituir os faróis no centro expandido da capital.

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

28 Março 2013 | 01h59

Os cruzamentos beneficiados representam cerca da metade de todos os que têm semáforos na capital. Desses, só 105 são "inteligentes", ou seja, monitoraram o fluxo das vias e acionam as luzes verde e vermelha de acordo com a demanda. Com a atualização do software dos equipamentos, a Secretaria Municipal dos Transportes pretende reduzir entre 15% e 20% o tempo de espera dos motoristas.

"É um ganho extraordinário, mas o investimento também é grande. Teríamos de quintuplicar o orçamento anual da Prefeitura para esse fim, que historicamente investe cerca de R$ 25 milhões com manutenção", disse Haddad, acrescentando que este valor "não está bom". "Nós teríamos de investir um pouco mais de R$ 100 milhões por ano para ter a rede funcionando de maneira inteligente."

A gestão Haddad também quer fazer com que o futuro sistema semafórico inteligente beneficie mais o transporte público. Os equipamentos poderão detectar o aumento da demanda nos corredores de ônibus, ampliando o tempo de abertura dos faróis nesses locais.

Investimento. Metade dos R$ 500 milhões deverá ser destinada à instalação de tecnologias que resistam às chuvas e não deixem de funcionar quando os faróis forem molhados. O investimento será feito ao longo de quatro ou cinco anos, com recursos orçamentários.

O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, disse que a licitação para a compra e reforma dos aparelhos será lançada em abril. Ele afirmou que espera que todos os 3 mil semáforos previstos para serem trocados devam ser substituídos até 2015. Para a próxima temporada de chuvas, no fim do ano, ele disse esperar que os transtornos já estejam "minimizados".

A Prefeitura vai contratar o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para avaliar a durabilidade e a parte elétrica dos equipamentos já instalados na capital. Tatto esteve no Reino Unido na semana passada para conhecer semáforos do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.