Gás no subsolo faz Cetesb multar condomínio

Um condomínio fechado de 164 casas na zona oeste da capital foi multado ontem pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), por causa do risco de explosão causado pela concentração de gás metano no subsolo. O órgão estadual aplicou penalidade diária no valor de R$ 17.450 por considerar que os responsáveis pela construção não estão atendendo à exigência de ativar um sistema de extração dos gases, além de fazer uma investigação detalhada da área e criar um plano de intervenção.

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2011 | 03h04

A contaminação no Condomínio Villa Felicitá, localizado na Avenida Diogo Gomes Carneiro, no Jardim Rosa Maria, foi constatada pela Cetesb em fevereiro de 2004, com base em denúncias dos próprios moradores do conjunto residencial. Desde 2005, a Cetesb pede que os empreendedores instalem um sistema de drenos.

Em 2007, a empresa responsável pela obra do Villa Felicitá foi multada em R$ 20.940 por não atender às exigências. O condomínio chegou a ter um sistema de drenos, que operou entre 2007 e 2008, mas foi desativado, sem maiores explicações. Em 2009, outras duas multas foram dadas pela Cetesb pelo mesmo motivo. Em 19 de outubro deste ano, medições apontaram risco de explosão em alguns pontos, mas não em áreas fechadas, como dentro das casas.

A Gafisa SA, contratada pela empresa Cimob, foi a responsável pela obra, mas afirmou que responde apenas pelos aspectos estruturais. A incorporação e a legalização do terreno são de responsabilidade da Cimob, que não foi localizada ontem para falar sobre o caso. / RODRIGO BRANCATELLI e WILLIAM CARDOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.