Garoto mata mãe com 13 facadas em Uberlândia

Justiça agora vai decidir destino de adolescente; jovem confessou crime e assassinou mãe na frente do irmão de 4 anos

MARCELO PORTELA , BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2012 | 03h10

Um adolescente de 14 anos assumiu que matou a própria mãe, grávida de sete meses, com 13 facadas. O crime, ocorrido há oito meses em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, foi testemunhado por um irmão do jovem, de 4 anos. O caso foi encaminhado ontem à Justiça, que ainda vai decidir o destino do adolescente.

Segundo a Delegacia de Homicídios da cidade, foi o próprio adolescente quem acionou a Polícia Militar em 25 de setembro de 2011, alegando que havia encontrado a mãe, Gislene Alves da Silva, de 31 anos, assassinada dentro de casa.

Apesar de ter testemunhado o crime, o garoto menor, de 4 anos, ficou em choque na ocasião e não conseguiu dar informações precisas sobre o que havia ocorrido. Com isso, a principal suspeita na época foi de que Gislene havia sido morta por seu companheiro, que é pai do menino e do bebê que ela esperava.

O rapaz, de 33 anos, apresentou, no entanto, um álibi "convincente", segundo o delegado Luciano Alves dos Santos, responsável pelo inquérito policial. De acordo com Santos, o contexto do crime era "intrigante" e, diante do álibi, os agentes direcionaram as atenções para o adolescente, "que acabou confessando o crime" no fim do inquérito.

Motivação. Para a Polícia Civil de Minas, o jovem matou a mãe por ciúme da gravidez e por estar revoltado por já ter de ajudar a cuidar de um irmão.

Ao confessar, o garoto alegou que matou a mãe após uma discussão, que teria feito a vítima desmaiar. Ele disse que a esfaqueou desacordada. O menino entregou a faca usada no crime, que ele havia jogado no telhado de um vizinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.