Garis aceitam proposta e cancelam greve em São Paulo

Categoria terá reajuste de 9,5% dos salários e 10,5% dos benefícios e suspendeu paralisação que faria a partir de segunda-feira, 29

Felipe Cordeiro, O Estado de S. Paulo

26 Setembro 2014 | 12h13

SÃO PAULO - Os garis e varredores da cidade de São Paulo aceitaram a proposta de reajuste salarial de 9,5% e de 10,5% dos vales-refeição e alimentação, em assembleia nesta quinta-feira, 25. A categoria estava em estado de greve desde quarta-feira, 24, e anunciou na tarde desta quinta-feira que cruzaria os braços a partir das 6h da próxima segunda-feira, 29.

"Decidimos negociar até o limite de 9,5%, que foi aceito pelo sindicato patronal", afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana de São Paulo (Siemaco), Moacyr Pereira. "É um aumento real de 3%. Com isso, nós decidimos suspender a greve e entender que ficaram concluídas as negociações."

A pauta de reivindicações do Siemaco continha 13 itens. Entre elas, estava o reajuste de 15% no salário e nos benefícios, auxílio na alimentação para os períodos da manhã e da noite, além de adicional de insalubridade para todos os trabalhadores operacionais, como os funcionários de limpeza de córregos e lavagem de veículos.

"As reivindicações mais importantes eram de salários e benefícios", disse Pereira. "Algumas sobre condições de trabalho foram atendidas. Continuaremos lutando pelas que não foram ao longo do ano."

De acordo com o Siemaco, há cerca de 15,5 mil trabalhadores da limpeza urbana na capital paulista.

O Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de São Paulo (Selur) informou, em nota, que as negociações com o Siemaco foram iniciadas a tempo, "já que a data base da categoria é o mês de setembro".

"A prioridade do Selur, compartilhada pelo Siemaco, é garantir sempre o atendimento da população", afirmou o presidente do Selur, Ariovaldo Caodaglio. "Nesse sentido, foram fomentados o diálogo e o bom senso a fim de encontrar uma solução positiva para todos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.