Garagem de bondes e fábrica Orion podem ter uso público no Brás

Garagem de bondes e fábrica Orion podem ter uso público no Brás

Prefeitura de São Paulo estuda novo uso para espaços, hoje subutilizados; imóveis são do início do século 20

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2019 | 05h00

SÃO PAULO - O centro expandido de São Paulo é como um museu a céu aberto de casas, edifícios, fábricas e outros bens marcantes para a cidade – mesmo que, por vezes, não conservados. Além de discutir incentivos para proprietários de imóveis tombados, o novo plano urbanístico da Prefeitura para a região prevê a recuperação de dois marcos do período industrial: a garagem de bondes da Light e a centenária fábrica Orion, ambos no Brás.

Datados do início do século 20, eles estão hoje subutilizados, com ao menos parte da estrutura fechada. A ideia do plano municipal é restaurar os dois imóveis e transformá-los em equipamento público para atender o aumento populacional previsto para a região. Uma das possibilidades de uso em estudo é integrar a antiga garagem ao sistema de VLT ou BRT previsto para o centro.

A proposta, parte do Projeto de Intervenção Urbana (PIU) Setor Central, está em fase de audiência e consulta públicas e precisa ser aprovada pelos vereadores. O plano deve ser enviado em formato de projeto de lei para a Câmara em março.

Como a antiga fábrica é de um proprietário particular, o plano prevê também a aquisição pela Prefeitura. “Vamos fazer a desapropriação no momento certo, quando tiver recursos. Um decreto de desapropriação tem validade de dois anos”, afirma o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Fernando Chucre.

História

Na Avenida Celso Garcia, a garagem é tombada nas esferas municipal e estadual e considerada último remanescente da rede de apoio à operação dos bondes. Foi erguida há mais de cem anos, atendendo aos serviços da The São Paulo Tramway, Light and Power Company Limited – a Light –, que sucedeu a rede de bondes por tração animal. Hoje é de responsabilidade da SPTrans.

Já a centenária fábrica da Orion fica na Rua Behring e tem a preservação das características externas prevista em âmbito municipal. Localizado em um grande lote de esquina, o imóvel tem quatro pavimentos e mantém dois grandes letreiros com o nome da empresa, especializada principalmente na produção de borracha.

Desde a construção da antiga hospedaria (hoje Museu da Imigração), em 1886, a trajetória do Brás está ligada ao desenvolvimento industrial de São Paulo. A região se tornou, nas décadas seguintes, um dos caminhos para a escoamento de produtos para o Rio ou o Porto de Santos. “O bairro mudou, tomou características industriais. A chaminé se tornou presente no bairro como um todo”, diz Ewerton de Moraes, pesquisador de patrimônio industrial e doutorando da Universidade Federal do ABC.

O pesquisador comenta que capital ainda mantém “bons espaços” do período industrial, que ficaram para trás quando muitas empresas se mudaram para o interior ou passaram a ocupar áreas menores (motivadas pelas mudanças tecnológicas). “Nesse processo, grandes áreas ficaram paradas, tendo os tijolos impregnados de história”, comenta.

Como geralmente envolvem grande áreas, a aquisição e a recuperação de imóveis desse período exigem investimento significativo. Moraes ressalta que, por outro lado, essa característica geralmente está associada a construções amplas e com poucas subdivisões, o que facilita a adaptação da estrutura para diferentes usos. 

A zona oeste de São Paulo, por exemplo, apresenta equipamentos culturais ou de uso público em remanescentes industriais, como o Sesc Pompeia, a Junta Comercial (na antiga Estação Ciência, da Lapa), a Casa Melhoramentos, na Vila Romana, e a Casa das Caldeiras, na Água Branca, dentre outros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.