Gangue da pedra volta a atacar na Marginal

Tática é fazer pneu furar para roubar quando o motorista parar; vítimas relatam que criminosos que agem na zona leste são rápidos e violentos

Plínio Delphino, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2010 | 00h00

Ajoelhado e com o cano de um revólver apertando seu peito, o professor Lucas Guimarães Barbosa, de 24 anos, rezou para não morrer. Ele, o irmão e a namorada foram vítimas de um assalto praticado pela gangue da pedra na Avenida Condessa Elisabete Robiano, altura do 5.500 da Marginal do Tietê, na Penha, zona leste. A Polícia Militar prendeu dois dos quatro assaltantes.

A quadrilha de criminosos colocou uma pedra de 50 centímetros na pista e o pneu do carro das vítimas furou. Quando Lucas, seu irmão João Antônio Guimarães Barbosa, monitor escolar de 23 anos, e a professora Jaqueline da Silva Santos, de 24, pararam, o bando agiu. Rápida e violentamente.

Segundo o delegado titular do 10.º Distrito Policial (Penha), Manassés Rodrigues de Carvalho, esse tipo de crime era mais frequente há cerca de dois anos. Em 2010, ainda segundo ele, foram cinco casos. "Isso é quatro vezes menos do que acontecia antes. Quando fizemos uma parceria com a Polícia Militar, que mantém rondas 24 horas no trecho, e a Prefeitura desativou duas favelas, esse tipo de assalto diminuiu. Não registrávamos o crime da pedra há dois meses", lembrou.

Lucas, Jaqueline e João Antônio foram ao Shopping Tatuapé, onde fizeram compras para a viagem de ano-novo. "A gente voltava para casa. Na Marginal, quase na entrada da Avenida Governador Carvalho Pinto, havia uma pedra grande na pista. Meu irmão estava ao volante. Se mudasse de pista, bateria em outros carros. Passamos por cima e o pneu dianteiro esquerdo furou", contou Lucas.

Ação. João Antônio parou o Celta 50 metros adiante. Quando começaram a trocar o pneu, os assaltantes chegaram em um Ford Fiesta preto. Claudiano da Silva Amorim, de 18 anos, armado com uma pistola, mandou os irmãos se ajoelharem. "Ordenou que a gente tirasse a camiseta e os tênis. Também deixaram minha namorada descalça", diz.

O rapaz encostou a arma no peito de Lucas e deu um tapa no peito de João Antônio. "Foi rápido. Eu apenas rezava para que tudo passasse logo. Levaram todas as nossas compras, mais documentos, celulares e cartões."

Os bandidos obrigaram Jaqueline a abrir o porta-malas e fugiram com o que conseguiram pegar. Lucas, que escondeu um celular, ligou para a PM e passou as placas do carro dos ladrões.

Policiais da Força Tática viram o Fiesta parado na frente de uma borracharia na Avenida Carvalho Pinto. Os suspeitos correram. Claudiano e Diego Phelipe da Silva Santana Rosatto, de 21 anos, foram detidos. Com eles, a polícia achou parte do material roubado.

Vítima. O presidente do Conselho de Segurança da Penha, Mauro Inácio Alves, diz que o próprio filho já foi vítima desse tipo de crime, "Jogaram uma pedra debaixo do carro."

DICAS DE SEGURANÇA

É prudente reduzir um pouco a velocidade em locais ermos.

Se não conseguir desviar do obstáculo, tente não reparar os danos no local. É nesse momento que os assaltantes agem.

Procure um local iluminado e mais movimentado. Se possível, com a presença de policiais.

Avise a polícia se suspeitar que o obstáculo foi colocado de propósito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.