Galpões abandonados estão ocupados por sem-teto

Construções que não foram tombadas viraram moradia, bar e até local de descarte irregular de entulho

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2010 | 00h00

A fama é de tradicional, industrial, "italianona". Mas a Mooca é, hoje, um bairro com cara de indefinição. Se de um lado da linha férrea há prosperidade - ruas tranquilas com casas bem conservadas, prédios de alto padrão -, o outro sofre com o processo de favelização nos últimos anos, em especial a Avenida Presidente Wilson. Dezenas de famílias de sem-teto moram nos antigos galpões das fábricas que existiram em outro século.

Nem todos os terrenos estão vazios - ainda existe uma atividade comercial ali, principalmente de empresas atacadistas que aproveitam as gigantescas instalações, hoje só encontradas na própria Mooca ou na Vila Leopoldina. Mas os maiores deles, como o da Ford, Esso, de fabricas têxteis e metalúrgicas, pararam no tempo.

Pelo menos duas dessas áreas abandonadas na Presidente Wilson - marcadas no estudo da Prefeitura como "subutilizadas" ou "desativadas" - servem de lar para famílias que estão instaladas ali há não menos que cinco anos. Essa é a data de mudança para a Mooca de uma moradora que se identificou apenas como Patrícia. Ela, cinco filhos, sofá dois lugares, micro-ondas e TV de LCD ocupam um pequeno pedaço de um galpão - em outros pedaços, outras famílias.

Ana Maria, dona de um bar na mesma avenida, não faz ideia do que pode ser feito com seu ponto, alugado há apenas três dias. Ficou acertado que ela pagaria R$ 500 por mês ao proprietário. "Ainda não sei se vai dar dinheiro ou se vou perder tudo. Vamos ver", conta.

Outro terreno abandonado que pertencia a uma antiga metalúrgica virou depósito de entulho - no local há até guarda-roupa sem porta jogado no meio da sucata. Nas áreas mais degradadas, os bonitos muros de tijolo aparente que são a cara da Mooca de antigamente estão pichados e repletos de lixo. A região só "vive" até às 17 horas - à noite, dizem os moradores, vira um grande cemitério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.